Pular para o conteúdo principal

DIFERENÇA...


 
Estou aqui pensando que o bom gosto, o apuro das preferências, a qualidade enfim das escolhas seja lá do que for, são as grandes diferenças entre os jovens da década de sessenta para os atuais.

Mas também penso que posso estar sendo, na realidade, apenas preconceituosa. Que esses jovens atuais apenas são o resultado dos novos tempos e que, para eles, este é o conceito de qualidade, da mesma forma que nos anos sessenta as músicas, as roupagens e os comportamentos eram estranhados, se bem, que é preciso não se esquecer da profusão de talentos que não deixaram nada a dever aos seus antecedentes em qualquer área que se possa lembrar.

Nossa, como é difícil traçar-se críticas, que não firam a lógica de cada tempo!

Pois é, pensando nisso, mudo de assunto, afinal, estou sendo influenciada pelo som que o meu vizinho insiste que eu ouça e que, além de tirar de mim o direito a paz de um merecido pós-festas, ainda me induz a crer que todos são como ele, ou seja, jovem de mau gosto.

Tento desviar minha atenção, dirigindo-a as lembranças do que fiz em meu trabalho no decorrer do dia e, novamente, sou atraída pelo mau gosto de lembrar o que uma funcionária me respondeu, quando apresentei um tópico musical que eu cria ser adequado para o horário das 20 às 22 horas. Disse-me ela:

-  Essas músicas  podem ser bonitas, mas os jovens não gostam. São muito antigas...

Eu falava de Chico, Gonzaguinha, Elis, Milton, Vinícius, Gil e etc. que ela reduziu a um passado remoto, como se no aqui e agora, não houvesse mais lugar para eles.

Por um segundo, reflito a respeito e vejo-a cometendo o mesmo erro avaliativo que eu na medida em que englobou os jovens dentro de uma redoma, onde não há lugar para nada mais que não seja o atual, e então, percebo assustada que ficamos ambas nos extremos avaliativos,  o que vem provar que estamos absolutamente equivocadas, pois permanecemos fechadas ao novo, independentemente de que época seja a sua origem.

Penso então no bendito equilíbrio que, por ser mais vivida e, portanto, com uma carga bem maior de experiências, deveria estar presente nas minhas avaliações, mas aí, penso também que a falta deste equilíbrio é tão somente um hábito enraizado que foi sendo construído, passo a passo, ao longo da vida, como uma forma de proteção aos costumes que vim trazendo como adequados às minhas preferências e necessidades e enquadrando-as como ideais e que o mesmo se repe nos hábitos desta minha funcionária, em um ciclo nada original, mas absolutamente compreensivo, por se tratar de um comportamento de defesa de valores, cada qual há seu tempo.

Penso, portanto, que ao me lerem neste instante, seja possível que encontrem alguma lógica em meus devaneios de criatura agoniada, diria até, muito sofrida por estar a horas tendo que escutar e escutar o mesmo batidão sem qualidade que mais que ferir meus ouvidos, fere-me a alma, as ideias e a minha capacidade de pensar algo que não seja a de imaginar-me capaz de drásticas atitudes em prol de minha sobrevivência emocional.

Penso nos anos sessenta e não consigo me lembrar de nenhum vizinho que fosse invasivo, desrespeitoso, ao ponto de adentrar nas casas alheias, sem pedir licença.

Será que enquanto penso em qualidade e bom gosto,deixo esquecida em minha mente, a educação?

 Não seria este, o fator básico que diferencia uma geração da outra?

Pois é... Que coisa, hein!

Em função das cruéis circunstâncias em que me encontro e percebendo a ausência de minha capacidade plena de raciocínio, deixo no ar esta questão.

Ajudem-me por favor!!!!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…