Pular para o conteúdo principal

ENTRE PÁSSAROS E PESSOAS


Dentre a uma infinidade de incompreensões que me assaltam por todo o tempo, o fato concreto de me ver frente a frente com minha própria fragilidade no convívio com gente, ou para ser mais exata, com certo tipo de gente, com certeza diminuiu e muito, assim como creio que diminui também nas outras pessoas que, como eu, optam em ser mais transparentes, o tempo de permanência neste planeta magnífico que chamamos de terra.

Essa galera, na qual me vejo inserida, gosta da vida e de vivê-la em toda a sua plenitude, observando os pássaros, pois os consideramos grandes mestres a nos ministrar ensinamentos valiosos que, aplicados na prática do cotidiano, podem até em dados momentos surpreender  e até mesmo levar- nos a certa nostalgia por não estarmos junto a eles, mas com certeza, passados os primeiros instantes, digamos, de inveja, imediatamente somos invadidos por um misto de encantamento e lógica de sobrevivência que se torna difícil, dalí em diante, menosprezar tão sábios e absolutamente simples ensinamentos.

Até mesmo JESUS, em uma de suas muitas parábolas, referiu-se aos pássaros como exemplos a serem seguidos, pois compreendeu desde muito cedo os desvirtuamentos que as pessoas imprimiam em suas posturas pessoais, abalando assim de forma indelével seus corpos e mentes, concomitantemente ao tudo do todo com os quais conviviam, formando  tsunamis de vibrações contaminantes que alteravam de forma danosa  e muitas vezes irreversível.

E tal qual Jesus, aquele maluco beleza que mesmo sem a mídia de Duda Mendonça, o escarcéu jornalístico das emissoras de TV ou qualquer outra intervenção que não fosse a do espírito humano em ser acolhedor das grandezas que a vida pudesse oferecer, também fui contaminada desde muito cedo pelos pássaros e por gente, desenvolvendo  analogias que fizessem lógica a um conviver menos doído, mais interessante e amoroso.

Mas puta que o pariu, que barra!...

Perdoem a boca suja, mas em certos momentos só mesmo uma palavra feia é capaz de expressar os nossos sentimentos. Todavia, quem de vez em quando não usa deste recurso pouco educado?

Hum... não seja hipócrita.

Mil vezes, recorro aos pássaros, lembrando naturalmente de Jesus, até mesmo para não ser invadida a ponto de perder o foco de meus próprios caminhos, diante das interferências a que inevitavelmente sou bombardeada por todo o tempo.

Enquanto escrevo, acredite, um minúsculo beija-flor acaba de esbaforidamente invadir esta sala e, é claro, que mística como sou, já imagino que foi o universo que o mandou para que eu mude o meu humor.

Entre a alegria por vê-lo e a imediata preocupação em como fazê-lo sair em segurança, percebo que algo mudou, então, respiro fundo e pondero que, afinal, as pessoas são diferentes e, diferentemente dos pássaros, vivem a buscar coisas como troféus para adornarem suas muitas vezes medíocres vidinhas e que, para tanto, passam como tratores desgovernados, não estando nem aí para absolutamente nada que não seja seus próprios interesses, sem perceberem que deixaram para traz um amigo de verdade.

Então, num autoconsolo, recorro ao beija-flor, sorrio para ele e penso que, assim como ele, eu tenho o universo, adornando a minha vida.

                         Que bom!.... Não é mesmo?!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…