sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Conceitos aleatórios

foto: blog3.opovo.com.br

Nas conversas entre amigos, colegas de trabalho ou quando simplesmente estou como ouvinte, telespectadora, observo que a incapacidade de entendimento quanto a interpretação das mensagens recebidas, mais e mais se tornam um caminho absolutamente solitário, ficando, portanto, cada recebimento informativo de qualquer natureza, fracionado sem que se crie qualquer conceito lógico de entendimento do conjunto social que vise a manutenção ou resgate do conforto de um coletivo que não seja aqueles que por motivos, aí sim, de necessidades sistêmicas de puro interesse individual de adaptabilidade alienatoria ou arrebanhamento de imediatas vantagens pessoais, se associa ou se alastra como um virus epidêmico, criando-se então, conceitos sociais de posturas que inibem maiores entendimentos e ao mesmo tempo, formatando uma falsa aparência de concordancia generalizada quanto a este ou aquele aspecto.

Estas verdades indiscutíveis encontram adeptos imediatos e estes se transformam na mesma rapidez em propagadores, criando-se a partir daí, linhas conceituais que são determinantes quanto a aceitação de novas e surpreendentes posturas sociais que até à pouco tempo teriam sido rejeitadas em suas origens. Este comportamento social é chamado de evolução ou progresso de mentalidade, insuflada pela capacidade humana em aperfeiçoar-se a cada instante.

Entretanto, penso, que todo este progresso deveria advir de um conjunto mínimo de fatores indutivos e elucidativos, aí sim mais que determinantes por serem essenciais que determinariam toda uma absorsão individual seletiva que propiciasse um mais humano compartilhamento em grupo, onde as aparencias se tornariam além de reais , concomitantemente mais humanas por promover um maior equilíbrio de convivência do mesmo, promovendo a partir desta postura absorciva do grupo uma corrente de informações no mínimo menos invasiva e despretenciosa.

Frente a conceitos novos que surgem como ondas sucessivas, torna-se necessário criar um sistema absorciso ágil, dinâmico, mas ao mesmo tempo elucidativo quanto às prováveis interpretações, ou seja, torna-se necessário a presença conceitual da interpretação dos objetivos da forma indutiva oferecida à massa receptiva cuja interpretação individual deverá ser avaliada quanto a sua real aplicabilidade em um todo social.

Esta visão do todo social foi sendo relegada a planos inferiores de considerações reais ao cotidiano , nos últimos 40 anos ,enquanto um falso conceito de proteção do mesmo, foi se formando e ganhando uma expressiva e convincente aparência protetora ou defensora, através da criação contínua de imagens e corpos institucionais, absolutamente ilusórios em sua grande maioria.

Nunca em tempos passados, houve tantas ong s, associações e etc, com o objetivo de defesa desta ou daquela área social, deste ou daquele resgate de conceitos considerados através dos tempos como humanitários ou no mínimo coerentes com os conceitos de bens estar de conjunto social. Este é um exemplo explícito de desvirtuamento postural, baseado tão somente na aplicabilidade aleatória do principio básico do resgate de conceitos pré existentes e notoriamente desgastados.

O principal e assustador exemplo se observado com as devidas atenções avaliativas quanto ao aspecto indutivo de massa, foi o sistema educacional em parceria com a derrocada da instituição familiar, trazendo como justificativas às suas novas aparências e conteudos, falsos conceitos e aspectos que são puramente reflexos de si mesmos. A violência é uma dessas justificativas que se estudada sem a indução do convencimento aleatório social, leva sem dúvidas a conclusão simples, mas não menos perturbadora de que o maior gerador dela foi , é e será sempre a globalização conceitual dos valores culturais e humanos de todo e qualquer grupo social. Ficando o determinismo generalizado como um sufocador impiedoso do conceito indiscutível da necessidade humana de sociabilização afetiva.

A partir deste conceito, abre-se uma janela que vem sendo mantida fechada a décadas e que acredito por onde seja possível deixar-se voltar a adentrar o sol da solidariedade e do compartilhamento social afetivo, indutores absolutos e consistentes, capazes de oferecer a criatura humana uma compreensão mais ampla de suas necessidades individuais sem que fira mesmo que seja com a sua omissão ou indiferença os direitos do todo social do qual se encontra inserida. Portanto, a família e a escola permanecem como os poderosos agentes, únicos capazes de associados, enfrentarem a crescente e destruidora onda de indiferença ao individual que se expressa no todo social, independentemente destas estarem em níveis diferenciados.

--

Nenhum comentário:

Postar um comentário