Pular para o conteúdo principal

Constatação Educacional

imagem: http://marinow.files.wordpress.com

O ideal é que eu tivesse formação acadêmica específica sobre a área que eu fosse abordar, mas como não tenho utilizo minha sensibilidade avaliativa e meus valores interpretativos que não podem ser desconsiderados, pois estas qualificações são fundamentais até para uma mais ampla assimilação de aprendizado acadêmico.

Aliás, este é o tema destes meus escritos nesta manhã de domingo, onde apenas é possivel ouvir-se os sons dos cantos dos pássaros, pois é muito cedo e todos ainda dormem.

Ontem, fui assistir a apresentação de artigos, que não chegam a ser monografias, de alunos de uma certa faculdade que se propõe à formação de professores e pedagogos.

Deixo claro que não há em minhas palavras qualquer conotação de desprestígio ou desrespeito, apenas e tão somente mais uma constatação do quanto os padrões de qualidade se alteraram, passando a novos patamares, já absolutamente incorporados às praticas diárias, uma vez que os avaliadores atuais já fazem parte de um esquadrão com idéias e formações, a meu ver, fragilizadas na qualidade de seus conteúdos e distorcidas quanto a forma de aplicabilidade.

Esta é uma comprovação que na prática se reflete na produção cada vez mais intensa de profissionais despreparados ao exercício de sua profissão de mestres e educadores.

Consequentemente, a proliferação de alunos mal formados ganha proporções alarmantes, mantendo-se um ciclo vicioso que a cada década mais se expressa inadequadamente.

Como disse anteriormente, apesar de não ser da área e não estar academicamente qualificada, ainda assim, consigo ao perseguir a lógica de um raciocínio, enxergar falhas posturais na apresentação dos resultados, a começar pelo total despreparo dos mesmos para enfrentar uma platéia, o que é no mínimo uma incoerência em relação às suas futuras realidades profissionais de professores, que necessariamente exigirão desembaraço diariamente.

Outro aspecto observado, foi justo o engessamento intelectual em relação a conceitos já pré-estabelecidos e que notoriamente são necessários à formação, mas que em hipótese alguma deveriam representar um inibidor criativo.

Pergunto o que seria do mundo científico e tecnológico se não houvessem mentes criadoras, inovando com seus intelectos, aspectos cruciais evolutivos de qualquer natureza.

Parece-me que quanto mais fontes são geradas com o intuito de facilitar o aprendizado, mais limitado o estudante se torna.

E foi isto exatamente que me chamou a atenção no evento da apresentação dos artigos.

Não houve uma só inédita visão sugestiva, uma opinião diferenciada, uma concordância embasada ou uma discordância acompanhada de uma visão pessoal.

Penso, então, que não houve riscos e que sem tal postura também não há crescimento inovador e para tanto compreende-se que, para se tornar uma constante no universo pessoal de cada aluno, seria preciso que o exercício mental criativo fosse estimulado, e isto não se adquire nos cursos secundários, sendo necessário um longo período de prática, que deve começar no ensino fundamental, onde então a criança, sem qualquer bagagem intelectual, se encontra aberta e pronta à receber os estímulos que a conduzirá a um universo diversificado, rico e fascinante, que é o mundo da criatividade imaginativa.

Observei fascinada que minhas constatações, que aqui expresso em forma de uma crítica amorosa, se estenderam a uma realidade impossível de deixar de ser registrada e enaltecida, que foi a observação da superação das deficiências sociais que envolvem cada uma daquelas criaturas, independentemente de serem mestres ou alunos.

Infelizmente, a Bahia e o nordeste mantem um atraso educacional histórico, além de um indice não menos aflitivo de pobreza que atinge um significativo patamar de não desenvolvimento sócio econômico.

E estas criaturas foram superando as suas profundas limitações, e a elas e aos seus esforços, curvo-me humildemente, rogando que minhas observações sejam vistas como uma forma de indução a seguirem em frente buscando maiores e pessoais conhecimentos em suas andanças profissionais, compreendendo que antes de buscar o aplauso fácil e social, busquem a segurança de seus conhecimentos estruturados em suas buscas pessoais de entendimento próprio e nos profissionais que os precederam na busca incessante de novas visões evolutivas.

O aplauso, tão somente como expressão social, estimula a inércia mental, tornando-se margens limitadoras, onde o brilho pessoal não encontra campo de desenvolvimento.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…