Pular para o conteúdo principal

O bolo não queimou!

foto: http://www.pinkecerebro.de

Hoje é sábado e o sol está radiante, se bem que o calor está danado de forte, quase querendo me derreter.
São seis e trinta da manhã e, como em todas elas, já estou a todo vapor entre fogão e o computador.
É isto mesmo, fazendo-me acreditar que um inspira o outro sem qualquer método literário, apenas, e tão somente, vibrações deste universo que me abriga e no qual me sinto absolutamente integrada, inclusive, fazendo-me ativa e disposta entre o fogão e as letras.
Aliás, se bem observados, ambos são materiais artísticos, precisando ser ativados, agrupados e bem intencionados para se mostrarem, ora deliciosos, ora reconfortantes.
Às vezes, queimo tudo, afinal, ninguém é perfeito e tenho que confessar, que ao escrever, me empolgo tanto, que simplesmente esqueço-me de tudo o mais, principalmente se estou escrevendo sobre minha cidade e os desmandos que fazem com ela.

Hoje, apesar de muito chateada com o andar da carruagem dos efeitos à cidade da política, sinto-me viva, alegre, saudável e muito disposta a vivenciar o dia de hoje com muita paz, apesar de ter de conviver com uma rua esburacada, repleta de mato, cavalos do vizinho, invasores dos lotes vagos, que estão cortando árvores frutíferas centenárias sem que haja uma ação sequer de coibição por parte das autoridades e certamente dos fiscais que existem nas folhas de pagamento da prefeitura e tantas outras mazelas que não deveriam existir em um local tão pequeno e lindo.

Que pena!!!! É tudo que me resta pra falar e sentir.

O bolo... Chiiiii!, o bolo. Preciso tirá-lo do forno agora e quanto ao resto, bem... fazer o quê?

Desta vez eu o salvei, quanto a cidade, quem a salvará?

Só me resta, ficar quietinha esperando para ver se desta vez o judiciário protegerá a todos nós, pois às vezes chego até a pensar que leis foram feitas tão somente para serem infringidas, assim como para oferecer brechas a todo aquele esperto que saiba manipulá-las e à juízes sempre fiéis ao interpretá-las, não é mesmo?

Existe um engessamento interpretativo que faz doer aos leigos como eu, que não podem compreender que o poder supremo de uma nação se encontre limitado em suas avaliações sem poder usar no mínimo da experiência, conhecimentos, prestígios e sensibilidade para detectarem a vagabundagem exercida pelos verdadeiros bandidos que nos assolam, cobrindo-nos de desesperança.

Volto então a afirmar, lamentando a incompreensão, fazer o quê, se nem as instâncias mais poderosas de nosso poder maior se sentem capazes de ter a sua própria interpretação frente às malandragens jurídicas, que além de tumultuarem os serviços judiciais ainda estão, como polvos gigantescos, esmagando o direito de cada brasileiro ou tão somente limitado pela ignorância educacional de nada sentir.

Viche!!!!! Isto é casa de marimbondo, que quando ferra, adoece e às vezes mata.Vai que eu seja alérgica!!!!!

Percebo neste instante que o sábado vai ser mais quente que o imaginável, afinal estou com a corda toda, se bem que com os bolsos vazios, mas também quem manda eu ser metida a honesta.

Agora preciso apagar o forno, pois o pudim já está pronto e isto para mim é maravilhoso, porque, afinal, não sou cega e ainda sei fazer uma comidinha gostosa e escrever o que enxergo como legado de amor e respeito que dedico à vida incrível que possuo, mesmo de bolso vazio e sem ter um olho esperto para fazer de mim uma rainha.

Em terra de cego, quem tem um olho é rei e quem tem prudência se dá bem, tô certa ou tô errada?
--

Comentários

  1. Oi, que bom que o bolo não queimou e o pudim estava no ponto, mas como só acredito vendo.....Mesmo assim gostei da historia e boa mesmo estava a farofinha que recebi da minha amiga,obrigada, agora o bolo..... e opudim....
    e a politica itaparicana vai de mal a pior, nunca vi coisa parecida que dirá igual. mas a receita é todas as noites rezarmos e pedirmos a Deus que ilumine a mente desses itaparicanos senão voltaremos as tribos kkkk
    bjs e bom final de semana

    Marilza

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…