Pular para o conteúdo principal

ITAPARICA CHORA E PEDE RENOVAÇÃO...


Por mais partidária que eu me apresente, neste momento, Itaparicanos que ora vivemos, como cidadã, sinto-me absolutamente envolvida na tristeza de ver minha cidade sendo devastada por um clima de total abandono.

Desde a posse da atual gestão, Itaparica se apagou em uma obscuridade provocada por um clima de silêncio, autoritarismo, ameaças surdas de perseguição e revanchismo.

O brilho que havia sido resgatado após tantas décadas e que já se sentia em cada cidadão, que estimulado se expressava através de posturas otimistas, trazendo à cidade um agito saudável de novos comércios e consequentemente de novas esperanças, infelizmente por questões históricas- culturais, se transformou em repulsa que cegou a lógica.

E toda esta confusão emocional de uma parte do povo que havia se acostumado a rejeitar o alheio, com certeza por não ter sido devidamente orientado, optou pelo retrocesso, buscando através dos símbolos do nativismo, a crença já enterrada do resgate do passado.

E eis no que deu, exatamente o esperado e já conhecido retorno do fracasso coletivo em prol dos interesses individuais.

As portas comerciais se já não fechadas, preparam-se para fechar, e o povo que dantes reaprendera a sonhar e a ver sua auto estima novamente se revelar, fecha-se em um silêncio doído pelo equívoco, difícil desde então em admitir.

Penso que nada mais nos resta como amantes fiéis desta cidade éden, que nos juntarmos, ao eco da dor que se faz ouvir, buscando através da coragem em assumir o equívoco, reestabelecendo a partir daí uma nova e saudável mentalidade progressista, mas acima de tudo humana, em traçar novos rumos, resgatando a digndade de nossa cidade e de cada um de nós que perdeu o direito de adentrar no mínimo nos tetos públicos sem sentir o peso e o castigo do voto contrário.

Que democracia ainda é esta que persiste punindo os direitos de liberdade dos cidadãos, esmagando e sufocando com a arrogância da vingança eleitoreira e do esquecimento da cidade como um todo com atitudes próprias dos velhos e carcomidos coronéis?

O idolatrismo já não tem espaço eterno, pois deu lugar, graças a Deus, a uma sólida e constante lucidez que afasta sem qualquer piedade todos os déspotas do poder, pelo menos em locais como o nosso, onde cada rosto ainda é reconhecido e onde cada criatura possui nome, sobrenome e endereço, bem diferente dos grandes centros urbanos onde o povo, em sua maioria, tornou-se apenas e tão somente um amontoado sem identidade individual, superlotando os chiques condomínios ou periferias desumanas, transformando e mantendo a todos em um anonimato cruel.

O chão em que se pisa, o céu de quente sol e fortes chuvas, pertence a cada um de nós que somos itaparicanos de nascimento ou paixão, e por assim pensar e assim querer, levantamos a bandeira do pedido de perdão, buscando com respeito, corrigir o erro grotesco cometido, em não enxergar os abusos pretendidos e infelizmente já vivenciados, e que de agora em diante jamais serão novamente desconsiderados.

Plagiando o passado, pintamos os rostos, levantamos bandeiras e deixamos ouvir o som de nossas vozes em um clamor de vida e liberdade, direito de todos nós.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…