Pular para o conteúdo principal

Inocente útil


Socorro, quase fui atropelada pelo trem da alegria que, barulhento, chegou e me atraiu a embarcar, mas logo parou por falta de vapor. Também, quem manda eu e um punhado de inocentes úteis nos deixarmos enganar, comprando passagem em trem fantasma?

Preciso lamentar o engano em forma de parábolas, porque afinal o trem é pesado e um tanto desgovernado, prontinho para atropelar todo incauto que se colocar a sua frente.

Por falar em parábolas, penso em Jesus, que a meu ver foi outro inocente útil, sim, falo daquele da Bíblia que nem o Pai , apesar de ser Deus, conseguiu salvar das garras dos meandros políticos, mas quem de verdade acreditaria que um Deus seria pai de um esfarrapado?
E não é que a prática continua, aí sim a todo vapor, pois em se tratando de política, tudo passa a ser uma questão de ajustes, normalmente financeiros, regado por todo o tempo pela força do poder em manipular as ganâncias dos envolvidos em todas as áreas, e bota apetite nisso!!

Entretanto, vai dizer isto a algum deles.
Nossa mãe, o risco é grande!
Se é poderoso, te ferra, e se ainda não é, com certeza está colado em um que seja. E, então, em um só arrobo, aflora o gens escondido da honestidade, sempre amparado nas estruturas judiciais, que implacáveis, pedem as provas das provas e aí é fácil de adivinhar quem acaba ferrado, sim, o tolo do denunciante que, normalmente, não tem sequer prestígio para contratar um razoável defensor, restando tão somente o público, que como o nome já garante, tem estabilidade e não está nem aí e, também , vamos e venhamos, brigar com poderoso, é ruim, heim!!
Sonho de pobre é inspirar aos doutores das leis a simplesmente julgarem sem enxergar a quem. Isso é sonho de inocente útil, burrice sistêmica, falta do que fazer de possíveis condenados por terem o displante de atravessar a vida sem se tornar, no mínimo, amigo de poderoso e ainda criando caso, difamando gente séria.

Afinal cadê as provas, grita o jurista pertinente, absolutamente dentro dos rigores da lei, para o pobre é claro, pois só enxerga no rico e poderoso, a princípio, no meio e no fim, indícios sob sigilo da justiça .

E aí, penso novamente em Jesus e no quanto nada mudou.
E se ao invés de filho postiço da ralé judaica, ele fosse filho de sacerdote?
Teria Pilatos lavado as mãos tão rapidamente?

E pensar que tenho tanto o que fazer!!! Inclusive, e principalmente, não me deixar esquecer jamais, que o povo Judeu, para quem Jesus tanto pregou amor e devoção, foi o primeiro a se aliar aos fortes e poderosos, porque povo é assim mesmo, adora aplaudir tudo que tem brilho e glamour, quem afirmou, foi Joãzinho Trinta, aquele do carnaval do Rio, ao adentrar na avenida arrasando com a Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis, em resposta ao fato concreto de que nada em se tratando de samba representava.

Detalhes, apenas detalhes que exigiam raciocínio.
E quem queria raciocinar no carnaval? Aí ,é pedir demais!

Na política é a mesma coisa, o que vale é o samba do crioulo doido, fornecendo muito espetáculo para inocentes úteis como eu e tantos mais aplaudirem, ajudando a arrebanhar um tolo povo para admirar a sedução de suas performances, que aqui entre nós, nem assim tão brilhantes se apresentam, mas também para que tanto trato se para o povo endereçado qualquer farrapo é renda?

Tôla, inocente útil!

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…