Pular para o conteúdo principal

Viagem Dantesca


O motorista do táxi dirigia como um louco possesso em meio a um trânsito absolutamente confuso e desordeiro e por todo o tempo permaneci com a respiração sufocada, frente ao medo, quase terror de me ver envolvida em um acidente de proporções somente imaginável por alguém desesperado, como eu me encontrava.

Quando finalmente o táxi estacionou diante do terminal de São Joaquim, pude respirar profundamente pelo alívio de me ver a salvo e, então, dele saltei como uma presa liberta, disparando em direção aos guichês de passagens, na ânsia de me sentir retornando ao porto seguro.

Um horror, esta é a definição dos meus sentimentos em relação às idas e vindas a Salvador, que venho espaçando sem qualquer culpa ou sentimentos de perda.

Já acomodada no ferry, tento superar, agora, o calor abrasador, parte de fundo emocional ainda em descompasso, parte pela falta de ventilação adequada. Limpo com o lenço a testa e a nuca suadas e, com a força do hábito, observo as pessoas à minha frente, percebendo que também elas se encontram inquietas e suadas, com ares de afrontamento, buscando um pouco de repouso, o que lhes parece difícil em tão curta viajem.

E aí, como compensação, comem e bebem com frenesi, enquanto crianças choram de calor ou pura birra, transformando o tênue desejo em se encontrar a paz em utopia delirante. Levanto-me e me dirijo ao banheiro, pensando que um pouco de água fria na nuca aliviaria a quentura térmica quase insuportável, tendo no percurso o direito de deleitar-me com a visão do mar, avistando ao longe a minha querida Itaparica, que, então, se transforma em motivação grandiosa a manter-me lúcida em meio ao cansaço que me domina.

Juro a mim mesmo que tão cedo voltarei e fico por algum tempo criando uma espécie de diálogo interior, onde argumento, justificando o que considero uma astuta decisão, sem sequer me aperceber que já não transpiro tanto e sequer ouço os sons a minha volta, permanecendo em um transe de abstração, o que posso qualificar, talvez, de um quase descanso, mas aí, alguém pede licença para passar e descubro surpresa estarmos quase ancorando e eu, finalmente, chegando em casa e, então, dou graças ao bom Deus por ter me mantido a salvo nos últimos 20 anos da loucura de morar e trabalhar em cidades grandes, onde a identidade é perdida e a banalização passa a ser o critério de quase tudo.

--


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…