Pular para o conteúdo principal

É PRIMAVERA

foto: /img.blogs.abril.com.br

O dia ainda não amanheceu por completo, mas já posso sentir a diferença, afinal, setembro chegou e com ele a primavera, que vem trazendo doces lembranças.

Chego até a janela para poder sentir mais profundamente o ar desta manhã que promete ainda um pouco mais de chuva, talvez, quem sabe, para nos banhar, tirando, então, o peso da tristeza de não estarmos juntos.

Lembro-me de cada encontro, planos, sorrisos e desavenças que povoou nossos dias e semanas daquela primavera em que estivemos juntos, unidos sem uma razão maior que a certeza de que estava valendo a pena, sorrir e chorar, sem medo de ser feliz.

A primavera do ano de 2008, marcou definitivamente a vida de algumas pessoas na ilha e a minha, com certeza, tornou-se mais amena e iluminada.
Naquele ano, conheci e convivi com uma gama imensa e diferenciada de criaturas que adicionaram à minha existência mais luz e conhecimentos. Lembro-me de cada segunda -feira, em que nos reuníamos na Sede do Club Social e às vezes por quase quatro horas, ouvíamos e falávamos como se alí, naqueles instantes, tudo nos fosse possível.
Particularmente me foi, pois vi cair por terra o horror da timidez que por toda uma existência tolheu-me passos de vida e liberdade, deixando fluir suavemente a minha alma de criatura humana, repleta de potenciais.
Descobri-me capaz de fazer escolhas e assumi-las publicamente sem me preocupar com a opinião alheia e sem sofrer em me sentir ridícula ou coisa que o valha. Derramei algumas lágrimas por não estar sendo em algumas ocasiões devidamente compreendida ou aceita, mas em um balanço geral, sorri muito mais do que chorei, fazendo jus então a música que escolhi do finado Gonzaguinha, que mais que qualquer outra melodia, refletia meu estado de alegria e entusiasmo por estar nas ruas e nos palanques, deixando-me viver de forma plena e autêntica, defendendo a primeira bandeira que escolhi e ergui com orgulho e paixão.

Quando setembro acabou e o cinco de outubro chegou soterrando os sonhos de todos nós, pelo menos para mim, restou a certeza de que tudo valeu a pena, porque descobri que afinal, minha alma não era pequena, induzindo-me como neste instante até mesmo a lembrar plagiando Fernando Pessoa, justo por não encontrar palavras próprias que expressem meus mais íntimos sentimentos.

Pois é, perdemos as eleições com o fim de um setembro que passou e hoje com um novo setembro chegando, não dá para deixar de recordar, acreditando que, afinal, neste ano tudo pode vir a ser diferente e até voltarmos a ficar juntos, pondo em prática cada sonho, quem sabe quando setembro acabar e outubro se fizer presente, corrigindo erros, trazendo brilhos.

O positivismo e o idealismo calcados em rochas sólidas de propósitos são marcas que não se apagam, são flores que sempre brotam, transformando cada instante de vida do apaixonado em espetáculos inigualáveis. MEU NOME É REGINA DO JORNAL E EU SOU MARLYLDA.

E se a memória fosse curta e as intenções menores, ainda restaria a realidade dos projetos interrompidos, alguns já prontos, destruidos, e a certeza gritante por ser dolorida em ver a nossa cidade sem viço, brilho e entusiasmo.

Portanto, vale a pena acreditar que o sonho ainda não morreu? Ah!!!!!! se vale, afinal é primavera e eu te amo Itaparica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…