Pular para o conteúdo principal

A CHEGADA - PASSOS INICIAIS

foto: www.blogdicas.com.br

O tempo de adaptação da criança na transição casa / escola é variante, assim também quanto a adaptação da educadora que estará diante de novas crianças, iniciando uma tarefa que exigirá atenção direcionada por mais um ano letivo.

Portanto, ambas precisarão de tempo e condições adaptativas à interação participativa.

Independentemente da série a que a criança será inserida, torna-se necessário um espaço entre a chegada à escola e o início das aulas, assim como já ocorreu um espaço ativo entre a casa e a escola, onde certamente houve a inserção de uma série de fatores externos, contribuindo de forma maciça na constituição emocional, também de ambas, criando uma agitação real em todo o sistema físico e psíquico e que se expressa de formas variadas, tendo como ponto em comum o despertar de sentimentos contrários ao ato de iniciar uma nova experiência, e através deste conjunto de fatores nasce uma rejeição que ao longo do período letivo se expressará de diversas formas, transformando o ambiente no mínimo em um terreno cujos objetivos se encontrarão pulverizados frente ao número de criaturas envolvidas, e como a educadora não se preparou devidamente, certamente se perderá, nem que seja em parte, na saudável interação cotidiana.

Este é um aspecto determinante a ser observado, já que por um longo período diário ela deverá representar um ponto de referência àquelas crianças e, portanto, suas posturas serão por todo o tempo registradas pelas mentes infantis à sua volta.

A escola será sempre um campo fértil para uma mais rápida adaptabilidade se a ela for inserida objetivos coletivos e, portanto, o oferecimento de um som musical será bem vindo, permitindo que a criança assimile o novo ambiente de maneira menos estressante.
O primeiro assunto a ser tratado no início das atividades deve ser a saudação aos demais através de um bom dia individual , após a educadora expressar-se de forma alegre e indutiva quanto a sua alegria por estar alí, naquele momento, iniciando uma nova atividade. É preciso que as crianças, reconheçam esta satisfação a fim de estimular maior participação.
Na realidade, a escola e os alunos devem representar justamente à educadora uma fonte de abastecimento e jamais de peso ou cansaço, o que a primeira vista pode parecer filosófico, mas que com a devida compreensão, torna-se uma fonte inesgotável de reforço emocional, pois, afinal, ela estará dia após dia tão somente exercendo uma atividade com a qual obtem recursos financeiros de subsistência, além de estar exercitando preciosos momentos em que aprenderá a absorver as afinidades presentes.
Portanto, estabelecer uma parceria amigável com o ato do trabalho em sí, torna-se prioridade, uma vez que facilitará por todo o tempo o fluxo absorcivo e doativo dos relacionamentos educadora/aluno, o que representa o ideal profissional. A antiga, ultapassada lista de presença, deve, portanto, ser utilizada, adicionando-se a ela o calor humano do real cumprimento, levando a criança com o hábito diário a perceber o quanto é importante a saudação aos demais e ao fato de se fazer reconhecer através de seu nome, que afinal será sua identidade primeira e única por toda a sua vida.

É fundamental induzir-se a criança ao reconhecimento de si mesma atráves de seu nome e da importância que este terá como fonte identificadora. Fazê-la compreender que ela é um ser completo, rico de potenciais e sempre pronto a doar e a receber é a maior tarefa de uma educadora, pois a partir daí, todo e qualquer manancial pedagógico, encontrará um reservatório amplo e acolhedor .

É preciso que se mude o conceito separatista entre ambos, sem, no entanto, deixar-se cair por terra o sentido hierárquico necessário a um equilíbrio de convívio. Os papéis devem ser bem discriminados e apresentados sem que haja qualquer insinuação separatista ou autoritário. Estimular o respeito através da franqueza e do carinho, mantendo por todo o tempo de convívio a indução ao olho no olho como exercício de respeito a si e ao outro.

As atitudes punitivas devem ser substituidas pelas atitudes corretivas, que precisam ser esclarecidas às crianças, desenvolvendo nelas o senso de responsabilidade à si mesmas, ou seja: é preciso despertar na criança uma enorme e sem limites paixão pela vida que está se expressando em si mesma, valorizando por todo o tempo seus potenciais, fazendo-a reconhecer cada um deles, começando pela sua constituição física, que lhe possibilita viver, independentemente dela possuir alguma deficiência física ou psicológica, pois existe dentro do emocional de cada criatura uma real necessidade de afagos, não havendo limites para a sua capacidade absorciva, assim como de doadora universal, ficando os limites tão somente como legado dos inertes posturais, que se formam através da mesmice, da falta de estímulos ou de indução comportamental de grupos ou massa sistêmica.
Uma criança amada, estimulada a amar, tem mais chances de aprendizado e adaptabilidade, sem que para isto tenha-se que molda-la a padrões disciplinares de rigor absoluto ou permissividade constante. O estímulo ao reconhecimento de si mesma, indiscutivelmente a induzirá à uma convivência mais harmoniosa com os demais, pois estará sublimado em seus sentidos toda uma vibração de afinidade coorporativista que lhe induz crer ser mais saudável partilhar e, para tanto, os materiais escolares devem ser também coletivos, oferecidos em sala de aula, como borrachas, lápis, régua, apontador, ficando apenas os cadernos e livros como identificador individual, despertando assim o sentido do compartilhamento respeitoso.

O início das atividades a cada dia deve ocorrer sem pressa, mas dentro de um ritmo em que a atenção da criança seja despertada e concientizada da importância de estar lá, junto aos demais e sendo em parte responsável pelas horas que se seguirão e que devem ser proveitosas por serem sagrados instantes da vida de cada um.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…