Pular para o conteúdo principal

Crônicas do Cotidiano

foto: www.parcapuane.it

Hábitos inesquecíveis

Ainda pensando no quanto gosto deste mes de setembro e desta primavera que já coloriu o meu jardim tropical,não podendo e não querendo impedir as lembranças que afloram abusivas,não me deixando alternativa, se não tão somente vivencia-las.
Nesta manhã de domingo, acordei sentindo o aroma perfumado do café que minha mãe logo cedinho preparava para a família e é claro que com ele vinha o pãozinho francês que ela carinhosamente esquentava ao forno e que ao passar nele a manteiga,esta se derretia colorindo -o e saborizando aquele pão que mais que forrar o estomago naquelas manhãs inesquecíveis,aquecia a alma,nutria nossas passadas.E nestas lembranças que me fazem sorrir direciono-me ao meu despertar diário,sempre saudando a vida,herança bendita oriunda de uma aparente simples rotina.
E aí ,como filósofa ,insistente pensadora,fico crendo no quanto fazem falta os cafés ,os almoços ou jantares em que as famílias se reuniam em torno de uma mesa , induzindo seus menbros a no mínimo se olharem .Sinto que hoje tudo esta tão disperso,individual sem o calor afetivo ,primário e com sentido daqueles habitos rotineiros que reservavam em si, mensagens amorosas que estruturavam silenciosamente e que valiam mais que mil palavras,substituindo mil presentes, oferecendo mil formas de nos tornarmos adultos mais respeitosos.
Passei toda a minha vida não abrindo mão de meu café das manhãs,não importando a pressa dos compromissos que me aguardavam e para tanto, passei a acordar mais cedo,justo para ter o tempo bendito de dividir com a minha família o também bendito momento de interação.E já se vão 41 anos de rotina saudável e neste momento, sinto o cheirinho de meu próprio café que se funde ao de minha mãe, fazendo-me crer ainda mais no quanto somos capazes de difundir amor,reforçando raizes de solidez emocional, não abrindo mão de pequenas e doces lembranças,repetindo-as como em um ritual de preservação que afinal,nada mais representa que uma celebração ,mais que merecida por estarmos vivos.
E todas essas lembranças e pensamentos conclusivos, não me deixam esquecer o quanto tudo esta diferente,porta à fora. Os hábitos mudaram,a forma de vivenciar o tempo,mudou,mas as criaturas,porque não mudaram? Apesar de tudo ser tão diferente,elas continuam buscando os mesmos valores sem no entanto terem qualquer parâmetro que lhes sirva de norteamento de busca. Sinto-as por todo o tempo, ora carentes e solitárias, ora tristes e agressivas, ora esperançosas ,mas pouco confiantes.Penso então, que feliz sou eu que insistente, não abro mão de meus parâmetros, repassando-os a meus filhos e estes provavelmente aos seus e neste aspecto creio então que a corrente da fraternidade permanecerá resistente e disposta a vivenciar novos habitos e costumes.
Bendito portanto o café da DONA HILDA de todas as manhãs que me inspirou vida e que me reserva lembranças me fazendo reconhecer o brilho colorido de cada primavera dessses quase 60 anos de vida. Bem...,agora vou tomar o meu café com aquele pãozinho francês ,bem quentinho e é claro com a manteiga escorrendo que certamente sujará o canto de minha boca em mais esta manhã de domingo.AH! que bom....,nestes momentos sublimes,sinto DEUS porque sinto a vida.
Bom dia a todos!

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…