Pular para o conteúdo principal

CUIDEM DE MIM


 Neste ano de 2016, em que se vivencia um declínio das atividades produtivas e do mercado brasileiro, cuja consequência será um período de baixo ou nenhum crescimento, o povo depara-se com uma epidemia provocada por um mísero mosquito que vem provocando um verdadeiro terror social e se não bastassem tantos transtornos, vive-se a maior crise política e institucional da história da nação, onde a falta de decência e da ética estão na berlinda, surpreendo-me com a insensatez, travestida de boas intenções que pipocam em meio aos movimentos políticos partidários, envolvendo pessoas e pessoas, num balaio de gatos infernal.
Particularmente, afastei-me dos movimentos políticos justo por perceber a tão pouca boa intenção que a permeia, enlameando sem dó e sem piedade a moral e as lutas pessoais de pessoas que, até então, eram consideradas sérias e bem intencionadas, levando-me ao convencimento de que a gana pelo poder pode ser altamente devastadora.
Claro que como qualquer pessoa mortal e engajada em minha cidade, tenho minhas preferências, todavia, recuso-me a inserir-me em conluios e negociatas, certamente para me manter isenta de laços que me tirem o bom senso das avaliações.
Doravante, assistirei desolada as articulações que chamam de política, onde nada, absolutamente nada, se volta a verdadeiramente buscar meios de se cuidar carinhosamente da cidade e do seu povo.
 Cidade e povo que suplicam:
- CUIDEM DE MIM!!!!!!
Difama-se, fazem-se de cegos e surdos, abusam da inteligência de pessoas simples que a tudo vem observando, acreditando que em meio a todo este balaio, surja alguma intenção que, pelo menos, não venha a destruir as melhorias conseguidas.
- CUIDEM DE MIM!!!!!, mas de verdade e não tão somente nos discursos eleitoreiros.
Mostrem com números e subsídios reais como resgatarão a cidade que lhes parece tão falida e destruída.
Prove-nos com dados concretos, como pagarão os empréstimos de campanha que não seja através da espoliação de secretarias, cargos figurativos ou de licitações direcionadas.
Expliquem o que farão com a nossa Educação que seja melhor do que ora se apresenta, com os recursos disponíveis, mas acima de tudo, expliquem porque em épocas passadas não conseguiram sequer arranhar uma qualificação que ora é possível constatar.
Bem, eu poderia ficar laudas e laudas citando item por item da complexa máquina administrativa que os dedicados e bem intencionados candidatos talvez conheçam até melhor e mais profundamente, mas prefiro ater-me a um ditado antigo, mas sempre atual e verdadeiro:
- Diga-me com quem andas e eu te direi quem és.
Todavia, prefiro acreditar que o clamor do povo da cidade se expressará através do bendito voto que terá como companhia a lucidez de quem enxerga e ouve e não mais engolirá sapo por lebre.
Afinal, se Itaparica é chamada de “Terra do já teve”, certamente, doravante, o povo, depois deste curso intensivo de sofrimento, aliado às informações dramáticas da pouca vergonha no exercício da politicagem local e nacional, não abrirá espaço para “Salvadores Oportunistas” e muito menos para alguns amantes da terra que só o enxergam de cima para baixo, como se fosse um povo chinfrim e crédulo que continuará oferecendo o banquete do poder.
Paguem e verão, por que, afinal, o grito ecoa:

- CUIDEM DE MIM!!!!!, afinal, dos incautos, o povo já cuidou e muito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…