Pular para o conteúdo principal

EDUCANDO


Como não poderia ser diferente, Roberto e eu, aceitamos honrados o convite do Prefeito Raimundo Nonato da Hora Filho e do Secretário de Educação do Município de Itaparica, Professor Raimundo Pereira Gonçalves Filho, para acompanharmos a apresentação do “Iº Seminário Compartilhando Saber”, realizado no Gabinete do Prefeito hoje, 28 de janeiro de 2015, a partir das 8:30h.
Foram cinco horas com apenas dois intervalos de alguns minutos em que pudemos registrar a prestação de contas do ano letivo de 2014, assim como do número das matrículas parciais de 2015 das 19 Escolas do Município, onde suas Diretoras tiveram a oportunidade de apresentar seus balanços financeiros, administrativos e as realizações de suas unidades educacionais nas áreas físicas e pedagógicas, assim como reivindicar as prioridades para as suas gestões para este ano letivo de 2015, além de expressar as dificuldades encontradas ao longo do ano de 2014.
Observamos que com exceção de apenas três escolas - Dr. José Fernando, em Amoreiras, Raimundo Sacramento, URBIS e Mário Lisboa na Misericórdia, as demais foram unânimes quanto as suas maiores dificuldades que se restringem à não participação dos pais dos alunos e a falta de comprometimento dos funcionários públicos efetivos de suas unidades.
Os pais que em sua maioria sequer tomam conhecimento da vida escolar de seus filhos, inclusive não observando princípios básicos de higiene que deveriam dedicar mais atenção, assim como o não comparecimento às reuniões, atrasos abusivos na busca de seus filhos menores, chegando em alguns casos ao total esquecimento, precisando que a diretora conduza o menor à sua residência. Outros só aparecem para brigar e até mesmo tentar agredir o corpo docente, além de estarem totalmente alheios aos próprios filhos quanto ao mínimo de educação doméstica que deveriam oferecer a eles, deixando à escola todas as responsabilidades educacionais, o que é basicamente impossível, criando assim uma lacuna na formação psicossocial das crianças.
Pareceu-me claro o papel duplo exercido pelas professoras, coordenadoras e Diretoras, assim como a extrema dedicação, comprometimento e alegria que externaram na ocasião.
Foi com certeza uma manhã proveitosa, onde foi possível através de relatórios e fotos, além dos índices de aproveitamento, constatar a evolução ocorrida no sistema educacional da cidade desde 2013, quando através de um trabalho sistemático, rigoroso e acima de tudo apaixonado, tem sido possível envolver cada dirigente das unidades escolares no empenho de, verdadeiramente, fazer uma educação que não só cumpra com responsabilidade os programas governamentais, mas que imprima a marca da dedicação, criatividade no desenvolvimento diário da formação educacional das crianças e jovens, inseridos neste processo.
Parabenizo a iniciativa, pois num clima de descontração e liberdade, todas as gestoras tiveram a possibilidade de estar no mesmo ambiente, discutindo suas vitórias, conquistas, aflições e necessidades, tendo presente, por todo o tempo, além do Secretário de Educação Prof. Raimundo Pereira Filho, o Ilustre Prefeito da Cidade, Sr. Raimundo da Hora, o Presidente da Câmara, Sr. Nixon Sacramento, e o Vereador, Adenilsom Cruz.
Lamentei a ausência dos demais vereadores, que perderam uma excelente oportunidade de se inteirarem da real situação das unidades escolares, para poderem mais abastecidos de dados, conduzirem críticas, assim como buscar formas de colaborarem, já que como representantes diretos da população, cabe certamente a eles uma participação mais efetiva nas relações sócio educacionais, não só de suas comunidades, como da cidade como um todo. Afinal, penso eu, na modéstia de meus conhecimentos nesta área, que nada pode ser mais importante a despertar seus interesses e seus tempos, que a educação de seu povo em formação educacional cidadã, única ação capaz de mudar a realidade e a qualidade de vida da população.
No mais, no decorrer da semana, através do Show da Manhã que apresento na Rádio Tupinambá FM, 87,9, das 9 às 12 horas, estarei diariamente comentando os pontos de cada unidade que me pareceram relevantes e merecedores de atenções especiais de todos que almejam o sucesso destas criaturas dedicadas que ganham pouco e que na maioria do tempo de suas carreiras profissionais e que, hoje em dia, sequer são respeitadas pelos pais, não recebendo a devida consideração e reconhecimento, mas que, ainda assim, são capazes de realizar milagres que podemos constatar bastando, tão somente, que abandonemos os discursos bonitos e de efeito, levantemos nossas bundinhas do conforto de nossas alienações e participemos efetivamente para que, em um breve futuro, possamos constatar uma diminuição da violência que adoramos dizer que só aumenta. 
Finalizo afirmando que nos doze anos que me encontro nesta cidade, intimamente ligada aos assuntos sociais da mesma, e sempre à frente de um órgão de comunicação com atuação dinâmica, jamais tive o privilégio de acompanhar tão significativo trabalho.
Parabéns, portanto, a todos os funcionários da Secretaria de Educação, tendo a liderança do Prof. Raimundinho, ao Prefeito Raimundo da Hora pelo contínuo apoio que oferece, pois sem a sua parceria e compreensão quanto a importância deste seguimento social, quase nada além do básico seria oferecido, assim como a cada gestor e sua equipe das unidades escolares, verdadeiros heróis que merecem  de todos nós, geralmente palpiteiros de plantão, pelo que representam de importância inigualável no seio das sociedades, o respeito e o apoio de todas e quaisquer naturezas nas suas realidades cotidianas por todos nós.
Porque afinal, educar dá tanto trabalho e exige tantas e diversificadas dedicações, que até mesmo os pais estão fugindo desta responsabilidade.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…