Pular para o conteúdo principal

SEMPRE UMA INCÓGNITA


O tempo lá vai passando, as experiências vão se somando e a sensação que tenho é o de ainda pouco ou nada saber em relação às pessoas e suas formas peculiares de se apresentarem em contraponto ao que são na realidade.
Quando conheço alguém, não resisto à tentação em observá-la em seus maneirismos e, ao mesmo tempo, tento adivinhar como ela de verdade deve ser.
Parece horrível, não é?
Todavia, imploro perdão aos amigos e conhecidos, pois este impulso me é irresistível, além de ter colaborado para que eu desenvolvesse uma espécie de segurança pessoal, já que observando além do normal e fora de qualquer intromissão estética, pude aprender muito em relação à parte cognitiva e sua influência direta na negação do próprio eu de cada pessoa observada, o que, indiretamente, contribuiu para o exercício da minha própria aceitação.
Não posso precisar exatamente como e quando comecei a deixar de ouvir e enxergar apenas o aparente, acreditando que foi ainda na infância, lá na minha Guapimirim, junto a toda aquela natureza que me despia e, provavelmente, começou por mim mesmo, na medida em que passei a reparar em minhas mudanças comportamentais, adequando-as às ocasiões.
Certamente, também foi nesta época que fui desenvolvendo uma espécie de rejeição aos costumes sociais que me afrontavam e, se isto ocorria, era porque não me eram afins e, portanto, não eram legais, e se não eram legais, despertaram também em mim uma lógica em querer me proteger deles.
Claro que não havia tanta consciência, aliás, nenhuma, apenas uma intuição, um sentido mais aguçado que proveio provavelmente dos efeitos das purezas ambientais em meus sentidos, que passaram a ser muito sensíveis, principalmente o olfato e o tato.
Mas nem tudo são flores, porque a dualidade acabou por me confundir e eu quase enlouqueci.
Não havia um alguém capaz de me compreender, e eu, incapaz de compreender o não direito de ser eu mesma e ter que vestir comportamentos que iam além da boa educação e da possível ideal convivência com as demais pessoas.
A realidade é que, durante muito tempo, eu me sentia absolutamente fora de meu próprio contexto, e ainda hoje, em certos momentos me vejo fugindo de minhas essências e beirando os limites da camuflagem de mim mesma, e aí, entro em pânico, o coração dispara, todo o meu ser entra em ebulição numa visível rejeição ao não afim e imediatamente arranco sem piedade o véu da hipocrisia que não faz bem a ninguém, pois abre e mantém um espaço vazio que a ciência chama de ansiedade, prima irmã da frustração e anfitriã da depressão.
Dizem que somos incógnitas, indecifráveis, mas acho que apenas somos criaturas mal educadas em relação à convivência com a nossa própria natureza, frente a uma convivência com a vida e com o tudo que nela existe.
Por que se soubéssemos naturalmente reconhecer as nossas afinidades, certamente por antecipação, saberíamos evitar os nãos afins, evitando assim desgastes desnecessários e extremamente afrontosos à preservação de nossa autenticidade que por lógica seria a força motriz quanto à preservação de nossas essências, que permaneceriam absolutamente em equilíbrio com a nossa realidade existencial.
Ufa!!!! Não é fácil, não, e ainda querem que eu seja normal?

Poupem-me pelo amor de Deus!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…