Pular para o conteúdo principal

TRAGÉDIA ANUNCIADA


Dizem, e eu acredito, que toda e qualquer tragédia de alguma forma é anunciada, nós serezinhos acomodados e distraídos é que estamos sempre a um passo atrás de nossa capacidade, seja sensitiva ou racional.
Uma vez que ela acontece, esticamos o dedo anular e como papagaios ficaramos repetindo:
- Eu avisei!!!!!!
Não é exatamente assim que procedemos?
Pois é...
A partir deste infortúnio – atropelamento de um rapaz de 15 anos por uma moto na ciclovia - que certamente poderia ter sido previamente evitado, rumos coerentes à lógica e ao bom senso são automaticamente implementados.
Mas e daí?
Afinal, vidas são perdidas ou desperdiçadas, assim como instantes são consumidos, corrigindo-se erros primários que a arrogância, o orgulho e até mesmo a falta de observância podem acarretar.
Detesto o dedo em riste, seja direcionado a mim ou a quem for, mas não posso me calar diante do que ocorreu ontem à noite na orla de Itaparica, pois minutos antes do ocorrido, precisei alertar ao meu marido de uma moto que estava vindo sem qualquer cerimônia pela ciclovia onde nos encontrávamos conversando, em frente à Praça da Quitanda.
Penso, então, que poderia ter sido com ele, caso por lá eu não estivesse, pois por escutar pouco e estar de costas, certamente teria sido atingido, pois é público e notório que alguns motoqueiros desconhecem os freios de suas motos e principalmente o respeito à vida deles e dos demais.
Portanto, creio eu, na humildade de minhas observâncias, que algo urgente precisa ser feito para que em um futuro breve de verão que se aproxima, novas situações semelhantes ou piores venham a ocorrer e, assim, sejam evitados os dedos em riste e, principalmente, as tão frequentes e desnecessárias tragédias em um local de beleza e, certamente, de paz inigualáveis.
Mas aí, colocando a mente para recordar, também é inevitável não se lembrar de quando Eliana Dumet  implantou esta ciclovia, de como estes mesmos que ora colocam o dedo em riste, também o fizeram, inclusive apelidando os piquetes de “TIJOLO DE BAIANO”, coisa sem estética, de 3º mundo e o escambal.
Enfim, o que desejo ressaltar é que, infelizmente, somos um povinho sem educação, mas principalmente sem qualquer observância para entender que quando se instala algo novo é preciso que se avalie o grau de entendimento de seu devido uso, justo das pessoas envolvidas, pois foi exatamente isto que a competente senhora observou, afinal, estava-se criando novos hábitos e, para tanto, necessário se fazia a instalação do óbvio educativo.
Os feios tijolos, nada mais determinavam além do sentido de limite, que também, afinal, certas pessoas jamais serão capazes de absorver, pois mesmo em tempos de TIJOLOS DE BAIANO ou coisa e tal, moleques irresponsáveis desfilavam suas motos, se bem que reconhecidamente por todos nós em infinita menor escala.
Bem... Entretanto, reclamar do dedo em riste é bem mais fácil que abandonar o orgulho e reconhecer que se estava no mínimo equivocado, assim como colocá-lo em riste  também é mais fácil que se colocar no lugar do outro e pensar que também poder-se-ia cometer estes mesmos absurdos.
E será que eu nunca os cometi?????????
Ser a palmatória do mundo é sempre mais fácil do que agregar compreensão que, se tivermos observância, produz infinitas mudanças.
Que este sábado ensolarado seja uma porção mágica de respeito ao bem comum no coração de todos nós, pois, afinal, estamos todos em um continuado aprendizado.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …