quarta-feira, 20 de novembro de 2013

COMPAIXÃO

Hoje acordei pensando na beleza da vida e, é claro, que logo vislumbrei o tudo de bom  com o qual ela se expressa; pensei nos animais, nas flores e nos frutos, pensei nos mares, rios e cachoeiras, pensei na terra e pensei no espaço, nas estrelas, no sol ardente e nas tempestades, pensei nos sons, nas carícias e nos aromas, e em meio a tantos pensamentos, pensei na estupidez daqueles que nada enxergam além da vaidade de si mesmos, amparando-se, geralmente, no fracasso de suas miseráveis existências, alimentados pelos aplausos dos seus sempre existentes afins.
Penso então na compaixão, no perdão e na generosidade que se precisa ter para com o grosseiro, o rude e o macabramente insensato, com todo aquele que se alimenta do próprio fel e que sobrevive como uma cobra peçonhenta, rastejando e serpenteando os feitos, a glória e os frutos alheios.
Louvada a vida que se renova a cada instante, lavando a mágoa ou a dor de quem foi atingido, fazendo nascer a cada instante a resistência bendita a estes débeis vampiros traiçoeiros que não enxergam luz e muito menos  beleza, e que apenas vagueiam sem rumo e sem prumo, mendigando  atenção com suas vampirescas presenças.
Volto a pensar nos cajus e nas mangas, generosas obras divinas da natureza que brotam no meu e no seu quintal, espalhando insistentes seus aromas a cada ano, tão somente para nos lembrar de que a vida é bonita, é bonita e é bonita.


Nenhum comentário:

Postar um comentário