segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Ética sob a Visão Espírita

Na visão dos seguidores fiéis de Jesus Cristo, a visão da Doutrina Espírita não está limitada ao aspecto extremo dos fenômenos.
Ela toca em assuntos que não estão restritos aos redutos e domínios religiosos e filosóficos, porque ela é a busca do conhecimento da vida e de sua evolução.
Se distingue das demais religiões tradicionais, porque não se serve de rituais, dogmas, símbolos, superstições e cultos exteriores.
Reconhece, fundamentalmente, a ética cristã, trazendo uma base racional e um conselho ao indivíduo, como meio para escapar à estagnação evolutiva.
O caráter religioso ajuda ao homem à ajustar-se às leis naturais que asseguram a sua harmonia com o universo, ajudando-o, assim, na sua ligação com a inteligência Suprema ( DEUS ), causa primeira de todas as coisas que nele reside.
Os que negam o caráter religioso do Espiritismo, o fazem principalmente pela desatenção, confundindo-o através do dogmatismo de outras expressões religiosas.
Os evangelhos de Jesus Cristo são os melhores meios de dominação dos problemas da humanidade e os ensinamentos espíritas um meio coerente e eficaz de se atingir o objetivo da prática da ética vivencial, no tocante a convivência com o tudo do todo no qual o ser humano se encontra inserido.
Os tempos mudaram e é preciso que se fique atento à melhor linguagem que possa definir o que significa, na prática, a ética comportamental. E é justamente a compreensão clara e definitiva desta necessidade que o conhecimento da base científica e filosófica do espiritismo oferece de forma natural e absolutamente simples como a própria vida ininterrupta em seu ciclo evolutivo.
Allan Kardec, com muito bom senso, escreveu no capítulo 19 do Evangelho Segundo o Espiritismo:
"Não há fé inquebrantável senão aquela que pode enfrentar a razão face a face, em todas as épocas da humanidade. Sem a luz da razão,a fé se enfraquece."
O homem encontra neste princípio a regra universal de conduta de suas mínimas ações.
Agir com os outros como gostaríamos que agissem conosco.
Portanto, a consciência do ser humano de sua participação interativa com a vida universal, torna-se o dispositivo natural que lhe permite concordar com o plano universal de equilíbrio e consequentemente evoluir de modo ordenado.
A consequência primeira e definitiva do espiritismo é conduzir através do equilíbrio da razão e do amor o homem a querer se tornar uma criatura humana mais harmoniosa e, portanto, vivenciando sua existência de forma mais suave.
Na prática do Espiritismo, não há lugar para propósitos lucrativos, ambições de poder que não sejam de progredir em sua própria evolução e de fazer progredir o seu próximo.
A ética Espírita, portanto, proclama a VIDA COM LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA com o livre exame em matéria de fé.
O Objetivo do Espiritismo, por si só, é somente o de procurar ajudar no progresso Moral e Intelectual das criaturas humanas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário