Pular para o conteúdo principal

Gestão Pública



Ontem, dia 07 de julho, compareci a uma reunião em Amoreiras, Itaparica. O convite foi feito pela secretaria de ação social daquela cidade. A condução da pauta ficou a cargo da Sra. Lúcia -secretária - e de sua colaboradora, Sra. Márcia - assistente social.
Em dado momento, comecei a perceber a total desnecessariedade daquele encontro com os munícipes e me lembrei dos inúmeros outros em que havia estado presente, cujos resultados foram inexistentes, pois a pauta estava fora do contexto da realidade de cada criatura participante, que no mínimo desejava interagir, consciente de que suas reivindicações seriam ouvidas e atendidas, na medida do possível.
Mas como, se gestão após gestão os problemas só crescem?
De que se adianta pedir isso ou aquilo, se na realidade só é feito o que para a gestão é possivel?
Percebem a perda de tempo?
Não seria mais lógico, fazer-se essas reuniões para expor aos munícipes suas possíveis e realizáveis ações?
Creio que no mínimo, diminuir-se-ia o grau de decepção, hoje tão evidente, além de se restaurar também um mínimo de crédito a qualquer gestão que se apresente, possivelmente atraindo um número mais expressivo de criaturas verdadeiramente voltadas à discutirem as ações e suas formas de aplicabilidade mais condizentes com suas realidades cotidanas,já que o constatável nos últimos, digamos, 10 talvez 15 anos, são pessoas que sequer, em sua maioria, sabem o que significa serem cidadãos e tudo o que compreendem é que não foram atendidos em suas necessidades, que afinal lhes foi garantido que seria em campanhas eleitorais. E o ciclo se repete a cada período de quatro ou 8 anos, sem que as realidades se transformem à favor dessas criaturas crédulas que servem apenas à um propósito: que é o de votar nas eleições, novamente acreditando, ou melhor, se fazendo acreditar, que desta vez vai ser diferente. Com certeza vai, para todo aquele que está no poder, basta observar:
- Alguem ja presenciou político ou alguém da família deles:
a- andando de ônibus;
b- andando à pé, que não seja para angariar votos no período eleitoral;
c- filho de político estudando em colégio público e tendo de comer a merenda;
d- usando os serviços dos postos de saúde ou tendo de apanhar ficha pela madrugada para se consultar;
e- Pisando em lama, desviando de buracos, correndo do cachorro abandonado ou limpando fezes de cavalo ou qualquer outro animal em sua porta.
f- Ou, talvez, tendo que ser até maltratado pela impaciência de um funcionário público.
Pois é, a lista com certeza pode ficar enorme, tão somente com o que nós, criaturinhas insignificantes chamadas de povo no coletivo, precisamos vivenciar, completamente fora da realidade desses ilustres senhores e senhoras que inclusive em suas maiorias, também, já estiveram nesta categoria, mas que ao galgar o tão desejado poder, derrepente ,como num passe de mágica, perdem a memoria, e cá pra nós, quem quer se lembrar que já foi Zé Povinho?
Mas,voltando à reunião, acredito nos sinceros empenhos daquela secretaria, mas como apenas estavam cumprindo mais um programa exigido pelo governo estadual ou federal, continuaremos, como é de costume, na estaca zero. E aí, aquelas criaturas que alí estiveram, sairam de lá acreditando, algumas mais confiantes, é claro, de que desta vez será diferente e com certeza engrossarão em breve a multidão de descontentes que perderam os parâmetros norteadores de qualquer lógica cidadã.
Bom seria se cada programa governamental fosse adaptado aos moldes da necessidade específica de quem o vestirá, aí sim, ouvindo os interessados e direcionando na medida do possível as verbas recebidas.
Bem... este é o propósito, no entanto, no percurso as intenções se perdem e os valores monetários são frutos que poucos têm oportunidade de usufruir. Pois é, fico pensando no quanto poderia ser realizado se, de verdade, intenções e moedas se encontrassem na feitura de ações de melhoria em cada uma das comunidades desta ilha de todos nós.
Acredito que poderemos enxergar e sentir mudanças apenas quando existir tambem no propósito de um gestor somada a todas as outras que ele tem direito, o propósito de se tornar pioneiro quanto a uma mudança de filosofia gerencial, onde o povo certamente deverá ser o alvo principal em uma restauração de posturas de ambos os lados, através de uma conscientizaçaõ de valores sociais que só podem advir de planos e projetos revestidos de seriedade educacional, induzindo cada criatura a se sentir um cidadão disposto a ser um doador participativo, ao contrário do que se apresenta até então, que afinal é tão somente um cobrador frustrado e desiludido.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…