Pular para o conteúdo principal

Espelho Cruel

São cinco horas da manhã, já estou escrevendo e como de costume nada planejo, deixando a mente limpa enquanto espero a água ferver para preparar um café que, certamente, me estimulará neste começo de dia.


Entre a sala e a cozinha, sou obrigada a atravessar um corredor onde tenho um espelho na parede, e querendo ou não me vejo refletida.


Esta rotina, até então, havia passado sem qualquer importância maior, entretanto, há alguns instantes, parei e me olhei observando que o tempo produz estragos para nós, criaturas tão apegadas à beleza estética.
E aí, também como de costume, a mente imediatamente recomeçou sua mais apreciada função, que é justo, pensar.
E pensando no quanto envelheci, consolo-me dizendo a mim mesma que ainda estou simpática, se bem que para uma mulher este argumento não é lá muito generoso. E aí, penso que envelhecer pode, de repente, não ser assim nenhuma tragédia se ainda se está saudavelmente repleto de energias, o que não tenho visto com frequência nos jovens que, envolvidos com a internet, permanecem com seus traseiros estaticamente acomodados em cadeiras enquanto suas cabecinhas também se paralizam nas salas de bate-papo, limitando suas potencialidades a um nível de impotência existencial quase que total. Contudo, ainda assim são jovens, se bem que muitos já perdidos pela falta de raciocínio lógico, em reconhecerem que viver é bem mais que ficar diante de uma tela, seja lá fazendo o que for.

Todavia, voltando à velhice que constatei , mesmo não desejando, penso que estou me sentindo muito bem. Afinal, levando em conta que estamos no OCIDENTE, onde aos quarenta anos já se é considerado velho e dificilmente se consegue um trabalho oficial, e onde os mais jovens já te olham com aquele ar de paciência e tolerância típicos da total falta de compreensão de que o passar do tempo é chegado à todos, creio que sou uma excessão, talvez porque eu trate o meu envelhecimento com respeito, não abusando dos mais jovens com a minha indiscutível experiência de quase 60 anos de vida.

Penso que não pode haver nada mais intolerável para um jovem que ser lembrado a todo momento por uma pessoa mais velha que ele nada sabe, justamente por ser jovem. E como nós, claro, os mais velhos repetimos esse drástico erro, afastamos de nós os nossos jovens, sempre lindas criaturas desabrochando por todo o tempo no recolhimento pessoal de suas próprias experiências de vida, que certamente novas visões acrescentam às nossa bagagens de velhos sábios.
E reforço, então, o meu entendimento quanto ao não meu sofrimento frente à minha incontestável velhice. Afinal, me permitiram cometer erros, volta e meia quebrei, como dizem, a cara, mas jamais ultrapassei os limites das margens das orientações que recebi e que também tive a sensibilidade em colher dos mais velhos enquanto jovem.
E por todo o tempo, somos mais jovens que alguém, não é mesmo?
Todo este lero-lero que minha mente vai produzindo, provavelmente é responsável por eu, apesar de constatar que envelheci, não estar deprimida ou, o que é pior, querendo camuflar o que as evidências impôem.

Entretanto, recuso-me a me atestar velhice. Qual nada, digo a mim mesma que há sempre algo novo que se torna velho se não somos capazes de reciclar uma a uma das nossas emoções.
E aí, penso que mesmo assim estou ficando cada dia mais velha e que o meu tempo por aqui neste planeta terra está se esvaindo, e eu gosto tanto de vivenciá-lo e isto, cá pra nós, é uma tremenda sacanagem. Por esta razão, que para mim é fundamental, doravante fecharei os olhos ao passar pelo espelho, dando uma banana pro óbvio refletido que insistente fica me lembrando o que eu sinceramente não tenho qualquer intenção de dobrar-me à indução apenas de uma imagem a cada instante em detrimento de todo um contexto que como uma pessoa eu represento, tá certo, concordo que mais velha, mas e daí ?!

O que eu quero mesmo é viver, o resto são detalhes que deixo para os que se consideram velhos ou eternos jovens, refletirem. Bom Dia!!!!!
--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…