Pular para o conteúdo principal

ONDE FICAR PARA NÃO SER ESTUPRADA?


Em meio aos depoimentos pessoais e oficiais das vítimas de estupro que são quase que 50.000 anualmente, ganhando inclusive do número assustador de homicídios em nosso país, nota-se a variante dos locais onde o fato ocorre.
Todavia, a exposição das jovens em festas chamadas de “Pancadões, além dos FUNKS de favela que ocorrem nas periferias das grandes cidades, está colaborando enormemente para a disseminação do hábito doentio de se considerar a mulher uma mercadoria disponível à ser usada e descartada.
Atrelada a esta realidade, encontra-se uma sociedade que se recusa a encarar os malefícios que os excessos de toda natureza tem influenciado o descontrole comportamental, não mais atingindo apenas os jovens, mas todas as faixas etárias, como se a pressa de tudo fazer e experimentar, fosse a máxima vivencial, excluindo a busca de objetivos existenciais, num colapso social, cujo único freio, certamente é o resgate dos cuidados pessoais, sem atrelar necessariamente à esta necessidade, regras e mandamentos filosóficos ou religiosos, tão somente, a lógica da autoproteção.
Para quem muito já viveu e observou através das décadas que se sucederam, a mudança não foi repentina. Ao contrário, foi lenta, mas contínua e sistemática de simultâneas concessões, muitas das vezes sem qualquer análise mais profunda dos efeitos colaterais advindos das novidades sociais que se nos garantem alegrias, praticidade e prazeres, também trazem consigo, contraditórios que precisam ser devidamente balanceados.
Portanto, não se trata de culpar as mulheres, justificando não só os estupros como toda a violência que prolifera em relação a elas, mas explica sem pano de fundo ou adereços do politicamente correto, a demência social em que nos encontramos, pois se olharmos para outros seguimentos da sociedade brasileira, facilmente identificaremos o pot -pourri de abusos e afrontas, num desfile catastrófico, desfigurando a importância da família da ética e valores que se não eram perfeitos, pelo menos freavam a tendência do ser humano em não se reconhecer como uma criatura capaz de ser e de se realizar, através de suas emoções e razão, únicos atributos que os distingui dos demais animais.
Portanto, onde ficarmos para não sermos estuprados?
Não se trata de frear as mudanças e o progresso, aliás, são sempre muito bem-vindos, apenas, repensar a formação dos núcleos de convivência para que num futuro muito próximo, não estejamos cercados de mil parafernálias tecnológicas e nos enxergando como inimigos mortais.
“A oportunidade faz o ladrão”, simplesmente porque a pré-disposição à posse do alheio, está inserido na genética de todos nós.
Partindo desta premissa popular, torna-se possível percorrer uma infinidade de razões que estimulam a violência de todas as naturezas, prevalecendo os fortes sobre os fracos, num retrocesso incompatível com o progresso que mal conseguimos acompanhar de tão rápido e pouco entendido.
Então, não importa onde estejamos e qual a idade que tenhamos, se formos os mais fracos, seremos sempre agredidos, que o diga a política brasileira que nos destrói continuamente, numa repetição incansável de violência que também lenta e sistematicamente fomos permitindo e consequentemente, concedendo a todos os demais seguimentos de nossa sociedade.
Então, qual o local seguro para não sermos todos estuprados
Penso então, que antes de criarmos diferentes formas cruéis de punir os agressores pontuais que, pensemos nas razões que estimulam suas existências, pois só assim, estaremos preparados e com coragem para corrigir os excessos, estimulador maior de todos os desmandos que somos capazes de produzir.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…