sexta-feira, 11 de março de 2016

REFLETINDO

NESTA MANHÃ, em que apenas acordei sem maiores perspectivas, além das cotidianas, inevitavelmente, penso e executo o que preciso organizar de prático, mas entre uma atividade e outra, dou lugar à algumas reflexões que já fazem parte de minhas inquietações diárias e, certamente, a falta do respeito humano é a mais recorrente.
Geralmente, escuto e leio muito a respeito, mas infelizmente pouco constato no cotidiano, levando-me a concluir que na matemática das posturas pessoais, a ordem dos fatores altera consideravelmente o produto, já que na inversão dos valores de convivência, cada fração ordinária é determinante na composição das equações humanas.
As referências, que chamamos de exemplos, foram se adequando aos novos tempos sem que houvessem diretrizes e, entre tapas e beijos, chegamos até os dias atuais tendo que assistir de forma invasiva, exemplos de culturas diferenciadas sem que tenhamos qualquer apoio orientador ou explicativo, ficando a globalização como mestre indutivo.
Assusta-me constatar que qualquer criança nos dias atuais tem acesso às imagens grotescas de todos os níveis, induzindo-as à banalização da vida humana e que qualquer um de nós pode se utilizar do anonimato que a internet proporciona para covardemente ofender e denegrir, transformando um poderoso veículo de integração social numa sucessão de golpes frenéticos, tendo como adaga afiada sua própria inconsequência.
E se não bastasse, ficam os demais meios de comunicação, reverberando de forma sistemática nos mais variados horários, todas as mazelas possíveis de existir e se nós, adultos nos atordoamos, o que esperar de das mentes ainda em formação?
Portanto, não há surpresas quanto aos produtos com os quais somos cotidianamente obrigados a conviver, pois são o resultado desta parafernália chamada evolução tecnológica e científica que chegou assim quase que de repente, nos pegando totalmente despreparados e com raros mestres capazes de traçar caminhos direcionadores.
Penso, então, que devemos começar o aprendizado desde o comecinho, fazendo da cortesia social o primeiro passo para que possamos não resgatar, mas criar através de tantos meios interativos, um caminho de respeito e solidariedade para que num hoje que, afinal, refletirá o futuro, a humanidade fique tão bonita quanto a própria vida que nela se reflete.
BOM DIA!


Nenhum comentário:

Postar um comentário