sexta-feira, 4 de setembro de 2015

SIMPLES ASSIM


Nesta ainda madrugada, bisbilhotando o face, na compulsão gostosa de saber das novidades, e etc e tal, revejo a foto que meu querido amigo Roberto Fialho Ribeiro postou, assim como releio suas palavras de saudades e ao mesmo tempo de lamento, por talvez não ter dito tudo quanto seu pai merecia escutar.
Dizer, por exemplo, que o amava, comentar de sua elegância ou do quanto o admirava, sem qualquer receio em estar sendo inoportuno, meloso ou coisa que o valha.
Pensando em tudo isto, é claro que minha mente se volta imediatamente para os amores que se foram de meu convívio, percebendo, tal qual o meu amigo Roberto, que mesmo espontânea, brincalhona e naturalmente amorosa, eu poderia ter dito mais, abraçado mais, sentido mais estas criaturas, que representaram a minha estruturação de pessoa humana.
AH! O que eu não daria para abraçar molecamente o meu sogro Tião Couto, minha sogra Zizita, meu pai e minha mãe,  meus amigos, alguns como irmãos que foram companheiros fiéis de grande parte de minha jornada...
Todavia, o que eu lamento, profundamente, foi a minha incapacidade em encontrar um só caminho que pudesse ter rompido as barreiras da indiferença provocada pelos dez anos que levei para nascer e que me distanciou de forma indelével, fazendo com que eu não sentisse o carinho de meu único irmão, que poderia ter sido um grande e inseparável amigo.
Lamento jamais ter tido a oportunidade de dizer que ele era o meu ídolo e que eu queria ser exatamente como ele, criativo, inteligente, honrado e lindo.
Talvez, por esta razão, eu tenha tido o cuidado de não repetir o erro, e como sou exageradamente amorosa em tudo que faço, me compensei emocionalmente, não poupando carinhos, palavras, sorrisos, abraços, beijos, que dei e dou, de montão, que o diga o meu também Roberto, que até quando dorme é abusado por mim!
Na realidade, sempre somos capazes de expressar o nosso amor um pouco mais, basta que fiquemos atentos, para não deixarmos este sistema maluco, nos confundir ou nos atrasar no bendito exercício de dizer : Eu te amo.

Simples assim ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário