Pular para o conteúdo principal

FALSO BRILHANTE


Estou aqui pensando nas pequenas coisinhas que vivemos fazendo ou recebendo no nosso cotidiano e que sequer oferecemos importância maior, pois fazem parte de uma rotina, nos levando a esquecer que são justamente essas aparentes banalidades que consomem a maior parte de nosso tempo, dando ou tirando o brilho de nossos instantes presentes, dependendo de como somos capazes de recebe-las ou realiza-las.
Levar e trazer os filhos das escolas, ir ao supermercado, enfrentar a fila do ônibus e depois, ele abarrotado, correr para chegar ao trabalho sem atraso, dizer, bom dia, ao vizinho, ao porteiro do prédio ou aos alunos em cada sala em que se vai dar aulas, pensar no que se vai almoçar e etc e tal.
Lamentar ou chorar a perda de um parente ou de um amigo, segurar o xixi ou a fome, naquele engarrafamento infernal, ser bem ou tratado com indiferença pelo funcionário público daquela entidade, na qual boa parte de nosso salário é consumido, através dos mais altos impostos do mundo ou numa das dezenas de ligações telefônicas que fazemos às operadoras de telefonia, Sky ou qualquer serviço no qual pagamos e pagamos anos à fio e sequer nos oferecem um rosto e uma alma para nos atender.
Choramos e nos descabelamos se o dinheiro acaba no meio do mês e nos tornamos as pessoas mais frustradas do mundo, ao constatarmos que apesar de tanto trabalho e lutas é justo o “político safado” que leva a melhor.
Também consumimos anos insubstituíveis, querendo ter um corpinho de modelo de revista ou de atriz de televisão ou quando percebemos que nossos maridos, noivos ou quebra galhos, estão embevecidos diante daquela mulher que miseravelmente tem o corpo que a gente, que fez tantas ginásticas e dietas, jamais conseguiu alcançar.
-  E aí, pensamos, FDP...
E o tempo vai passando entre os afazeres profissionais, domésticos e amorosos, e assim, quase que de repente, em um certo momento, jamais esquecido, nós, imprudentemente, olhamos no espelho com mais atenção, e, VIRGEM MARIA, envelheci e nem percebi !!!!!!!!!!!!
E agora, o que fazer?
A partir deste crucial instante, cada uma de nós abraça uma tábua, buscando salvação, todavia bem cientes de que nada adiantará, pois quando a safada da física e dos hormônios resolvem descer ladeira, nada será capaz de detê-los, talvez com muitos sacrifícios, retardá-los com mil recursos, mas aí, volta à tona o mais poderoso argumento que até então tirou-nos a paz:
 Dinheiro, que agora chamam de aposentadoria, mais minguada do que nunca, cadê este safado que insiste em acabar no meio do mês?
Nossa!!!
E pensar que todos esses sofrimentos cotidianos, foram sendo vivenciados e sequer oferecemos a eles a devida importância e, muito menos, tentamos corrigi-los ou eliminá-los, até porque, em sua maioria, não seria possível, principalmente, as ações cretinas do tempo que insiste em tornar flácidos os nossos lindos peitinhos e jogar do despenhadeiro, nossas bundinhas sensuais, com as quais fizemos no passado, as esposas, namoradas e quebra galhos de infinitos homens desviarem seus olhares, matando de raiva as pobres desavisadas, como nós nos tempos atuais.
A lei do retorno, não perdoa, e nós, menos ainda à este tempo safado, que passa calado, sem sequer nos dar um pequeno aviso nas muitas de suas  passadas em nossas vidas, apenas para que ele, não fosse desconsiderado, principalmente, no tocante aos estragos que opera, tornando-se devastador, assim como nos estimular a dar a devida importância a cada instante presente, onde existem as labutas,  aborrecimentos, desilusões, perdas dolorosas, mas também vitórias, sorrisos de pura alegria, beijos gostosos, carícias inesquecíveis, sonhos, ilusões e muita, mas muita vida, que afinal, é bonita é bonita e é bonita.
Um domingo de muitas alegrias, acompanhado de um beijo enorme desta senhora vítima do tempo, mas amante gostosa e amorosa da vida.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…