Pular para o conteúdo principal

CONVERSANDO COM DEUS


Receias pela morte? Receias as doenças? Receias as perdas materiais? Receias a perda amorosa que te rodeia?  Receias, afinal, o quê?
Por que sofres, acreditando que serás punido, justo por mim que te criei, dando-te vida e poder?
Por que ficas pelos cantos, ora reclamando, ora se lamentando, sem jamais seres capaz de enxergar tua própria grandeza e fazer dela tua vara mágica de realizações?
Fico a observar-te em tua insistente perda de tempo, sofro por ti, por que sei o quanto podes ser amoroso contigo mesmo, todavia, a teimosia que permites que te acompanhe, impede que enxergues com a clareza de uma mente limpa, conduzindo-te vez por hora, ao desatino da insensatez de lamentares, temeres ao invés de lutares.
Dei-te a vida para que tivesses espaço infinito para expressares as tuas afinidades, dei-te uma mente para que pudesses avaliar teus desejos e necessidades.
Por que, não fazes o devido uso de tais poderes, preferindo a lamúria de chorar ao invés de sorrir, amparando-te em patologias emocionais, quando tens a mim, como amparo maior?
Digo-te:
- Chega!!!!!
Esta será tua palavra mágica e tua mente será tua vontade voluntária. Com ambos, reverterás a condução de teus próximos instantes, cobrindo-te de minha luz que insistes em não receber sobre tua vida.
Doravante, quando perceberes a aproximação da simbiótica postura que chamas de cansaço existencial, estresse ou depressão, lembraras da palavra mágica e expulsarás de ti, esse vício que contamina tudo a tua volta, tirando o viço e o brilho de tua existência.
Chega disso, chega daquilo e de tudo o mais que ouves, falas, aceitas ou que impões a ti e aos demais, através deste comportamento aparentemente normal, mas que só te tem trazido, preocupações, desatinos e dor.
Chega de manteres os teus olhares direcionados para o amanhã, esquecendo-te que as ações estruturantes, precisam ser articuladas no hoje, sem que teus instantes presentes sejam danificados e que tenhas prejuízos quanto a qualidade de cada um deles.
Chega de provocares tantos danos a ti mesmo, chega de transformares teus dias em capítulos de tragédias continuadas, chega de chorares sobre si mesmo, chega de buscares dores com as quais, foges para não teres de conviver com tua própria natureza, que, afinal, é perfeita e que te foi, amorosamente, ofertada por mim.
Chega de enfiares a cabeça no buraco de teu medo de existires e adapta-te aos novos tempos que surgem a cada amanhecer, dando a ti, todas as possibilidades de renovação.
Ciladas, dificuldades, lutas constantes, sempre existirão, mas é preciso que digas chega à tua preguiça sistêmica, que te leva a copiar os fracos de espírito que não conseguem enxergar que sou o pai e tu, o filho, e que juntos somos poderosos e indestrutíveis.
Portanto, chega de te fechares para a vida que incansavelmente se expressa, na tentativa de chamar-te a atenção, através dos amanheceres que ignoras, dos por dos sois que nunca tens tempo para admirar, dos sorrisos francos que te são direcionados e que por orgulho e preconceito em sua maioria desconsideras, dos aromas que te cercam e que já não consegues distinguir e das cores vibrantes que bem poderias te apropriar, mas que cego pela constante lamentação, és incapaz de enxergar.
Chega de impedir que as benditas energias da vida te sirvam e te inspirem no tudo que verdadeiramente, precisas.
Então, compreendas, medo para quê?
Chega, por que afinal, tens a mim, a vida, portanto, trace o teu caminho usando as ferramentas que estão ao teu alcance e que insistes em não utilizar.
Que nesta quarta-feira, o Deus que neste instantes fala contigo, tenha sido convincente para que repasses esta mensagem à outros que como tu, muitas vezes, opta pelas trevas em meio a Luz.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…