Pular para o conteúdo principal

UM CAOS SOCIAL

 Às vezes, ao ouvir algumas argumentações, olho ao redor de mim mesma, apenas para constatar se estou em Itaparica ou talvez em uma outra cidade, e não me apercebi.
A última foi à afirmação de que “o caos social se instalou em Itaparica”.
Se não me falha o entendimento, tráfico de drogas em nosso país é uma realidade que não encontra nos governos, seja Federal ou Estadual, qualquer interesse maior que não seja uma rotineira e pouco eficaz ação repressiva, deixando todos os municípios, independentemente de seu porte, em absoluto abandono. Nunca em tempo algum, a invasão da bandidagem esteve tão violenta quanto nos últimos 10 anos, assim como, nunca as polícias estiveram tão desaparelhadas e abandonadas, justo na gestão do PT.
Saindo da Segurança Pública, adentro na Saúde propriamente dita, porque jamais estivemos pior,  nossos hospitais estão totalmente sucateados, administrações estaduais completamente sem rumo e sem qualquer intenção de melhorias que não sejam através de soluções imediatistas como a contratação de milhares de médicos cubanos com interesses internacionais de cunho ideológico / financeiro e econômico da alta cúpula do Governo Federal, que é PT, novamente deixando a população de um modo geral nas mãos de médicos duvidosos quanto as suas qualificações, repasses de verbas minguados para as unidades municipais e muitos etc., que só visitando e  conversando com os coordenadores hospitalares é possível constatar.
Bem, se não bastasse tanto caos, ainda existe a EDUCAÇÃO que desce rapidamente a ladeira em todos os níveis, com certeza, seguindo alguma inspiração petista que acredita, segundo seu líder, que não é assim tão importante e muito menos fundamental, bastando apenas, construir-se prédios para a instalação de universidades e distribuir de forma generosa muitas cotas para que que muitos DOTORS se formem, matando assim todo o estímulo aos possíveis futuros DOUTORES, bem ...Esta é a filosofia construtiva do PT.
Certamente, eu poderia continuar discorrendo sobre todas as problemáticas que envolvem esta administração PETISTA em que, em certo momento do passado, me fez acreditar que viria para, finalmente, deslanchar o meu país, mudando os rumos e principalmente ceifando grande parte do nosso vício de cada dia em nos sentirmos e sermos os “ESPERTOS”.
E O CAOS DE ITAPARICA?
Onde estás, rapaz, que não te vejo em meio a este Brasil, tão varonil?
Poupem-me pelo amor de Deus, pois ao contrário do Brasil, nos últimos 10 anos, jamais pude ver e constatar tantas ações sociais se desenvolvendo ao mesmo tempo e atendendo “AQUELA” população que mais necessita.
É preciso ser justo, menos farofeiro, mentiroso e mal intencionado e, o que é o pior,  parar de jogar areia nos olhos alheios, usando de um futurismo que todos nós sabemos que depende diretamente das ações FEDERAIS E ESTADUAIS.
Sinto que é preciso se fazer uma leitura mais humanizada e, portanto, mais honesta de nossa Itaparica, onde, afinal, ainda podemos conversar nas calçadas de pé ou sentado, onde ainda podemos encontrar nas emergências, um médico que nos atenda, onde ainda podemos ver nossas crianças sendo alimentadas nas escolas, nossos velhos sendo cuidados, nossos doentes mentais tendo assistência, nossas crianças especiais, cercadas de atenção e carinho, e se não bastasse, ainda podemos nos dar ao luxo de sermos levianos ao ponto de por interesses absolutamente pessoais , falarmos besteiras e ainda encontrarmos  uma plateia que nos aplauda.
Mas tem lama, mato e buracos nas ruas, lâmpada apagada e ladrão de galinha.
Mas como sou para alguns e principalmente para os  fakes, apenas uma CARA DE PAU que ganha dinheiro para enxergar o que não existe, de uma GESTÃO MEQUETREFE, deduzo que devo estar em outra ilha/cidade, cercada de água por todos os lados e assolada pelo CAOS.
QUE COISA, HEIN!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…