segunda-feira, 22 de abril de 2013

Sem prévio aviso



Finalmente o outono chegou, trazendo com ele as chuvas benditas que nos faltou no verão e, então, é possível ver ressurgirem mais entusiasmadas as cores no jardim e, até mesmo, alguns frutos se despertam como as do conde que saboreio fascinada, diariamente.
Diferentemente de todo o restante em que as estações influenciam, os novos modos e costumes estão lá fora me esperando e, por mais resistente que eu esteja sendo, os novos hábitos forçam passagem, e mesmo pelas frestas das portas e das janelas, irrompem casa adentro, nem percebendo o jardim, nem sequer pedindo licença.
Novos tempos, novas ideias que, impiedosas, adentram em todo o meu ser, buscando arduamente quebrar os meus conceitos sem me permitir pensar, no sempre arrogante imediatismo jovem, que não mede consequências, apenas chegando e se instalando como águas de uma cachoeira a despencar montanha a baixo, revelando-se nos obstáculos que encontra pelo caminho.
Com o olhar de quem muito já foi capaz de ver, mas que também ávida quer muito mais enxergar, fixo a rosa teimosa, mas absolutamente cheirosa que resiste à brava chuva, ao vento frio e a solidão, apenas e, tão somente, no seu direito de existir, lembrando-me silenciosa que viver é uma constante batalha, entre o agora e o porvir.
Bendito outono que chega, trazendo com ele a esperança dos cantos tímidos dos pássaros que também teimosos e resistentes, tal qual as rosas e alguns frutos, insistem na resistência, recebendo o novo como bem-vindo, ajustando-os aos velhos hábitos.
Que nesta semana que se inicia, nossos velhos hábitos sejam revistos com a sabedoria dos resistentes que privilegiam a vida, os conhecimentos e a interação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário