Pular para o conteúdo principal

AÇÃO E REAÇÃO



Nota da autora. Edição em andamento – disponível em janeiro de 2012.

Têm sido tão rápidas as transformações pelas quais as sociedades vêm convivendo neste último século que sequer oferecem tempo hábil às criaturas humanas quanto às suas devidas assimilações, criando, desta forma, um mar de distorções que se acentuam neste ou naquele aspecto social, mas que se faz notar em todo o contexto onde precise viver e conviver, não só com ela mesma como com os demais.

Tratamos anteriormente à respeito das ações e reações, pontuamos este ou aquele conceito que foi alterado ou totalmente transformado, alguns infalivelmente soterrados, observamos suas prováveis causas e evidenciamos as explícitas .

Recordamos posturas antigas, observamos posturas atuais e teorizamos sobre posturas que se devam desenvolver com o intuito estimulante de acompanhamento evolutivo científico e tecnológico de aspecto menos agressivo, alienante ou banalizado, com o objetivo único de valorização da criatura humana no seu contexto de ser existente e prioritária a si mesma em uma busca de real e produtiva representatividade junto a toda uma existência terrena e cósmica.

Em estudos anteriores, buscamos realçar a necessidade do reconhecimento das vibrações de energias que as criaturas, sejam humanas ou não, emitem através de todo o manancial que reservam em si mesmas e que são determinantes quanto ao nível de complexidade que haverá  nas relações de convivência interpessoal e sistêmica.

Abordamos pontuais patologias que são originárias dos desvios comportamentais e que passam a gerar outras através de somatizações contumazes que são mantidas por um emocional em dicotomia com um contexto físico e neurológico absolutamente perfeito e capaz de se auto-sustentar e se auto-imunizar, assim como gerar emoções naturalistas na exatidão de uma consciência plena existencialista, onde certamente o sistema afetivo familiar, aliado a um sistema educacional estimulante potencializa a  criatura quanto ao reconhecimento e absorção  tão somente dos nutrientes que lhe é afim, evitando através de imediato reconhecimento com total clarividência, tudo quanto lhe indique inadequação, em uma sistemática tão natural quanto, por exemplo, o ato contínuo de inspirar e expirar.

Frente a uma realidade onde a família novamente altera suas formas de relacionamento interno e a escola ainda não colocou o pêndulo no centro equilibratório de como se relacionar, assim como aplicar as mesmas disciplinas de formas adequadas à velocidade e instantaneidade que são realidades indiscutíveis, fica restando, à nosso ver, a única alternativa em arregaçar-se as mangas em atitudes pioneiramente conscientes, buscando os meios de fazer da escola o núcleo agregador, esclarecedor e incentivador de tudo quanto já exisgty4e e certamente estará existindo em velocidade instantânea por todo o tempo, evitando, assim, maior dispersão da criatura consigo mesma, maior incompatibilidade dela com os demais, maior devastação do meio ambiente que a mantem.

Se a criança e o adolescente encontrar na escola um espaço de absoluta segurança, onde posse se sentir entendido em suas dúvidas, reconhecido nas suas potencialidades, descoberto na sua infinita capacidade criativa e devidamente amparado no seu direito em ser o que é e estimulado a não temer ir mais além neste conhecimento, tão somente com a finalidade em extrair de sua existência o máximo de prazer, certamente aprenderá como os demais animais a dispensar toda e qualquer vibração que não lhe seja afim, priorizando as suas reais necessidades, resguardando sua morada física, preservando o manancial energético de seus sentidos, geradores contínuos de suas emoções e determinantes de suas ações e reações pessoais, assim como indutores das ações que são frutos das reações dos demais.

Na escola, o jovem, seu mestre e os demais profissionais envolvidos no processo educativo, devem se sentir livres, protegidos e amparados, pois além dos portões da entrada e da saída, haverá um espaço de convivência harmoniosa por ser respeitosa, amorosa por não ser invasiva e verdadeiramente globalizada por ser agregativa.

Não haverá qualquer maior dificuldade de aplicabilidade deste método se As seleções iniciais forem feitas com o critério de somente admitir-se criaturas que estejam dispostas a um recomeço de aprendizado vivencial onde despir-se ao preço que for estipulado, seja sempre infinitamente pequeno se comparado ao bem estar que tais atitudes gerarão em si mesma, assim como também da extensão que produzirá nos núcleos que suas afinidades determinarem como ideais de atuação pessoal.

Utopia?
Provavelmente para muitos.
Idealismo?
Certamente para alguns.
Um caminho alternativo?
Indiscutivelmente a poucos.

Em parceria com:
Carlos Ramiro de Albuquerque.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…