Pular para o conteúdo principal

UM RESPIRAR PROFUNDO


Acordei bem cedinho, abri as janelas e portas e fui sentar-me na cadeira de balanço da varanda para esperar pacientemente o dia amanhecer, tal qual, faço por toda a minha vida, numa fidelidade a mim mesma, afinal, como perder tão surpreendente espetáculo?
E assim como eu, lá foram também os meus cachorrinhos que adoram o despertar da vida com seus aromas e sons sempre surpreendentes e juntos, silenciosamente, permanecemos relaxados, não sem deixar, pelo menos eu, a mente voar, e esta, não menos surpreendente, ora arquiteta um futuro que sequer sei se viverei, ora resgata um passado em seus momentos, se não surpreendentes, pelo menos inusitados.
E nesta manhã, ao som de uma refrescante chuvinha de primavera, meu voo foi até Belo Horizonte, pousei no bairro do Santo Antônio ao lado de minha sogra, tentando socorrer uma jovem doméstica que trabalhava na vizinha, que apavorada, (a vizinha) pedia socorro.
A cena dantesca quebrava o encanto da grandeza de um quase amanhecer e, pela primeira vez e única, deparámo-nos com a solidão da ignorância existencial, travestida da crueldade da indiferença de um alguém que acabara de ter um filho, mas incapaz de acolhê-lo em seus braços, olhava o vazio da parede branca, enquanto no chão, envolto em sangue, um serzinho lutava para permanecer vivo.
Enquanto enrolava a criança na primeira toalha que encontrei, prendi o corte brutal de seu umbigo com o pregador que segurava a toalha na corda, enquanto minha sogra retornava ao nosso apartamento, numa corrida contra o tempo, pois tanto a mãe como a filha, naquele instante, precisavam mais que apenas solidariedade, precisavam de um médico.
Hoje, já com o dia amanhecido, ao som do galo do vizinho, fico pensando naquela criança que quase salvamos, naquela mãe que no dia seguinte, voltou andando, apanhou sorrateiramente seus pertences e desapareceu, deixando a vizinha e a nós com as lembranças tristes de sua inconsequência.
Penso na menina e no nome que poderia ter tido, nos amores e nas conquistas, nas tristezas e nas lágrimas, mas acima de tudo, nas auroras que jamais vivenciou, mas que 32 anos depois, permanece ainda viva entre as minhas lembranças, talvez para que eu nunca esqueça que, assim como a vida é bonita e é bonita, o ser humano pode ser feio, medíocre, assustador.
E pensar que naquela época, cheguei a brigar com Deus, crendo na injustiça de seu poder de distribuição de bênçãos, pois enquanto tantas desprezavam, meu regaço estava pronto para acolher uma filha, que nunca chegava.
 Estou sorrindo, afinal, três anos depois, como num passe de mágica, a minha tão sonhada garotinha, adentrou em minha vida, trazendo consigo, Deus, aquele mesmo Deus que espinafrei, mas que generoso compreendeu a minha dor, frente aos abusos e inconsequências com as quais, a vida pode ser tratada.
 Neste amanhecer de recordações, penso que cada amanhecer, traz com ele sensações que nem sempre estamos prontos para reconhecer ou aceitar, mas com certeza, traz consigo a certeza de um respirar profundo, acompanhado da esperança de um novo amanhã, onde então, surpresas maravilhosas podem ocorrer, como ocorreu comigo ao ser presenteada com a morena mais linda do mundo, que ganhou o nome de Anna Paula e está tendo o direito de escrever a sua própria história.
Respiro fundo e então percebo que o sol já vai alto e muitas tarefas me aguardam.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…