Pular para o conteúdo principal

EFEITOS COLATERAIS

Se para agirmos com ética em qualquer instância pessoal ou em sociedade, precisamos fazer escolhas e estas devem vir na sequência de análises, discussões e possíveis revisões pessoais, pois estas determinarão nossos atos e consequentes reações, como exercermos tão arriscada inerência cotidiana sem que recebamos uma gama variada e rica de subsídios que nos forneçam parâmetros?
Como decidirmos genuinamente, quanto as nossas escolhas, se de pronto estamos tolidos por leis de fundamentação moral que enterram sem qualquer direito a apelações, os valores que até à pouco, formaram nossos caráteres e consequentes escolhas?
Estariam todos os conceitos errados e teríamos vivido de forma inconsequente e desastrosa por todos os tempos?
Como vivenciar os novos valores de forma ética, dentro de um equilíbrio razoável de convivência tanto no pessoal quanto na sociedade, se a cada instante, vemos fenecer toda a conjuntura de valores éticos  que representaram a nossa sustentabilidade pessoal?
Penso que a evolução dos costumes sempre existiu e é inerente a capacidade da criatura humana em pensar, ponderar e produzir a continuidade deste mesmo raciocínio, tornando-o o mais próximo possível de uma  lógica universal, portanto, cercear seu instinto natural quanto a preservação de seus recursos subsidiados em sua formação cognitiva, talvez seja a mais violenta das agressões sem qualquer resquício de ética.
O que venho observando nas últimas décadas é exatamente este conflito de conceitos éticos que além de confundirem, cerceiam os direitos individuais da livre escolha, em nome da defesa deste ou daquele segmento que acredita estar absolutamente certo em suas convicções ideológicas de cunho emocional, que entendem, serem sistêmicos e  universais.
Afinal, o bom senso e o reconhecimento do direito individual quanto a própria escolha, não deveria necessitar de leis que a blindasse,  quanto as avaliações alheias,tão somente que garantisse a ela amparo e, portanto,, o status de permanência.

Historicamente, a imposição comportamental, baseada em verdades de grupos minoritários, não só tiveram consequências desastrosas, como jamais, fizeram parte de um contexto saudável evolutivo, representando atrasos extremamente danosos a raça humana e ao planeta como um todo.
Os reais efeitos colaterais da globalização indutiva, chegam em sua maioria de mansinho, tal qual o uso contínuo de drogas medicamentosas, impossível de se detectar os seus efeitos colaterais sem que haja tempo, observações e discussões à respeito, podendo levar inclusive a sua suspensão como ocorreu com fatos históricos que marcaram de forma indelével o currículo da humanidade.

O que de forma particular venho percebendo cada vez com mais nitidez é que não escaparemos dos efeitos colaterais, pois alguns aspectos já começam a se tornar explícitos nas sociedades do mundo em geral, mas que a médio e longo prazos mostrarão suas chagas e então,  muitos aditivos serão necessários para que seja possível uma sobrevivência, sem que seja possível deter-se o atraso que ocorrerá, pois a reconstrução do âmago social terá prioridade como ocorreu em outros tempos, onde o homem se perceberá em agonia social, quanto ao restauro de uma ética postural que seja universal, mas que tenha como fundamento maior, o bem estar da liberdade de todos, respeitando-se a individualidade na sua máxima quanto aos limites de seus direitos em relação ao outro.
Bom seria que nos fosse oferecido na infância ensinamentos de conduta existencial em conjunto com todos os demais aprendizados primários, como ter autonomia quanto a urinar e defecar.
Mas como seria possível, se sequer nos percebemos sendo unidades especiais, deste contexto fabuloso que é a vida?
.,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…