Pular para o conteúdo principal

PRA QUE VIEMOS...


Parece-me que foi ontem que tudo começou, mas que nada, lá se vão 8 anos, onde foram necessários um passinho atrás do outro, perseverança frente as naturais dificuldades possíveis de se encontrar em locais onde chegamos, como ilustres desconhecidos, otimismo que somente os sonhadores são capazes de produzir, mesmo tendo a incerteza e as poucas probabilidades, a coragem que é movida pelo amor pelo que se pretende fazer, enfim, uma jornada que começou na estrada certa e que mês a mês veio se consolidando em forma de respeito e apoio de nossos parceiros patrocinadores e de nossos féis e participativos leitores.

Falar mais o quê, que não tenhamos falado nestes anos que se seguiram que possa ser mais expressivo que o nosso muito obrigado a todos desta bendita ILHA DE ITAPARICA que nos acolheram e nos permitiram demonstrar a que viemos.

Viemos em busca de paz e a encontramos, no amparo silencioso da segurança, nas oportunidades e na consistência de uma bela comunidade.

O VARIEDADES, que nasceu em 04 de abril de 2004, teve e tem como objetivos, além de ser um ganha pão digno e respeitoso, ser acima de tudo um registro sério, verdadeiro e coerente com a história do cotidiano da Ilha como um todo, criando interação, proporcionando  meios  participativos, fazendo-se por todo  o tempo um veículo integrado, sem cópias de modelos outros, mas apenas ele mesmo, com suas grandezas e falhas, mas sempre transparente nas suas mensagens e registros, sejam sociais ou políticos.

Quando estamos distribuindo o Variedades pessoalmente a cada mês, nas ruas, nas lojas e nas esquinas , sentimo-nos abastecidos de um orgulho saudável, primeiro porque somos maravilhosamente bem recebidos onde quer que estejamos e, depois, porque cada exemplar é como um filho amado que queremos ter a certeza de estar sendo conduzido corretamente, daí, não repassarmos a ninguém esta tarefa que sempre nos parece única e, portanto, intrasferível.

Coisa de pessoas apaixonadas pelo que fazem e para quem fazem. Babaquice de gente que não se importa de ser tal como é, agradecido, leal, respeitoso e com uma visão passional da grandeza de poder estar vivendo em um local como a Ilha de Itaparica, onde os rostos não são desconhecidos e a sensação de solidão fica tão somente reservada “aos poucos poetas”, como  Rainer Maria Rilke descreveu em Cartas a um jovem poeta.

Gostaríamos de a cada ano poder oferecer uma festa de agradecimento, mas como não podemos, então, optamos em oferecer mais e mais a nossa dedicação, polindo dia a dia nossas posturas pessoais e profissionais.

Neste ano, somamos às nossas atividades a participação na RÁDIO TUPINAMBÁ  com o  SHOW  DA MANHÃ, que vai ao ar de segunda a sexta –feira, das 9 às 11 horas, por entendermos que independentemente de ideologias, partidarismos e preferências pessoais, somos profissionais que não se furtam aos desafios que surgem e que tenham em seus propósitos levar às outras pessoas alegria, informação, resgate de cultura e parâmetros educacionais, por também acreditarmos que somente através dos saberes e da participação cotidiana com o próprio universo pessoal  é que se torna possível pensar-se e consequentemente alterar-se qualquer realidade que nos pareça pouco justa neste ou naquele aspecto do contexto social.

Talvez, fosse mais cômodo e seguro e principalmente lucrativo, tão somente ficarmos como sabonetes escorregadios, deslizando suavemente pelos corpos que se apresentassem, mas não podemos, pois fomos um dia que já vai longe, contaminados com a bactéria da ética, hoje em desuso e fora da moda, e que persistente e incurável, infelizmente nos impede de ter o último modelo disto ou daquilo, mas que nos torna poderosos e tudo podendo, frente as portas da dignidade que jamais se fecham, fazendo de nós e do nosso jornalzinho, um cartão mensal de respeito a vida e a todos que conosco compartilha.

No mais, a partir desta edição de número 89, iniciamos mais uma jornada através deste ano de 2012, esperando continuar merecendo o apoio através de um trabalho sério, mas absolutamente sem “MEDO DE SER FELIZ”, mensagem que utilizamos como refrão carinhoso, já que acreditamos que sem coragem, determinação e alegria, torna-se impossível verdadeiramente nos sentirmos integrados e capazes de sermos mais que apenas mais um, para nos tornarmos unidades agregadoras em nossos universos pessoais.

Um beijo carinhoso.



                                  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…