sábado, 22 de agosto de 2009

Por toda uma vida



São cinco horas, e como estamos em pleno inverno baiano, o calor tirou-me da cama mais cedo e já estou, aliás, como nas demais manhãs, escrevendo. Este na realidade é o horário que mais aprecio, justamente porque posso desfrutar dos sons da vida natural sem qualquer interferência de outros sons sistêmicos. Agora, por exemplo, não preciso olhar pela janela para saber que o dia esta amanhecendo, simplesmente porque os pássaros me comunicam aumentando seus cantos, que misturados a outros tantos, mais parece uma orquestra muito bem ensaiada.

Acordar, portanto, bem cedinho, passou a ser mais que um hábito diário para se transformar paulatinamente em um exercício cotidiano extremamente gratificante, onde tenho a oportunidade de me preparar para vivenciar horas a fio de um dia que pode ser com certeza um enorme desafio pessoal. E pensar sobre isto , pode ser assustador, contudo, olhando por um ângulo estimulador, é bom pensar que estou viva, então todo o restante passa a ser mero detalhe que com um pouco mais de boa vontade encaro, como dizem normalmente,: NUMA BOA.

A cada amanhecer, percebo diferenças lá fora junto aos pássaros e cá dentro de mim, surpreendendo-me com a capacidade, eu diria, infinita que disponho em reciclar-me a cada amanhecer bendito em que me disponho a reverenciar o fato maravilhoso de me sentir com vida.

E aí, nesses momentos, como agora, penso que não existem diferenças entre eu e o universo, e que sou tão somente um aparente frágil fragmento em toda esta complexidade fantástica e que nada, absolutamente nada, pode ser mais importante que este fato concreto e definitivo. Então, penso no quanto sou grata e no quanto posso aperfeiçoar os dons naturais que possuo em prol de mim mesma e desta vida na qual estou inserida. Penso, assim, que acordar todos os dias bem cedinho, ajuda-me a não ter medo de olhar para a vida e principalmente em não maximizar qualquer das infindáveis alterações que se apresentem em qualquer área da convivência, seja lá com o que for, no entanto, o melhor que aprendo a cada amanhecer é justo reconhecer o quanto sou capaz de amar, compreender e perdoar a mim e a todos que me cercam, quando não somos capazes de superar a nossa mesquinhez de criaturinhas arrogantes e prepotentes que a cada instante se esquecem o quão valiosas são nossas vidas.

Hoje é uma manhã especial, mas todas as manhãs são especiais porque em cada uma, hei gente, eu me reconheço viva e apaixonada, e se não bastasse, ainda tenho um amor prá lá de especial que nos últimos 43 anos repartiu a sua capacidade em amar comigo. Isto não é maravilhoso!...
--

2 comentários:

  1. Regina, como vai?
    Lendo esse seu belo texto, reflito que humildade não faz mal a ninguém, sempre me fez bem e até mando outro poema para você que resume bem o tema.
    Veja se gosta e me responda se assim o desejar.

    Pensa-se


    Pensa ser diamante
    Se descobre pedra sabão

    Pensa ser eterna
    Se descobre mortal

    Pensa ser perfeita
    Se descobre torta

    Pensa ser eleita
    Se descobre eleitora

    Pensa ser sol
    Se descobre espelho

    Pensa ser maior
    Se descobre nada

    Pensa que pensa
    Se descobre nércia

    Pensa que vive
    Se descobre morta

    Fátima Madureira.

    ResponderExcluir
  2. Natuexistencialblogspot.com26 de agosto de 2009 03:12

    Oi,querida,como não gostar dos seus poemas?São lindos e eu sou grata por me permitir conhecê-los.Você,não respondeu se posso divulgá-los no jornal que edito mensalmente.Creio que lhe enviei um email.Entretanto, cometo erros primários,pois sou muito fraca em se tratando de internete,computador e etc.Aguardo sua resposta e mais uma vez,parabens,pois são de uma lógica sem camuflagens que muito me encanta. Abraços,Regina
    26 de agosto de 2009

    ResponderExcluir