Pular para o conteúdo principal

Reconhecendo o medo

foto: www.umtoquedemotivacao.com

A sensação do medo é muito mais que uma emoção poderosa, pois é capaz de gerar inúmeras outras altamente danosas ao sistema físico/emocional de qualquer criatura.

O medo é uma vibração sensitiva permanente, originada de uma lógica racional absolutamente natural, que a criatura humana ao longo de sua história vem distorcendo e adaptando-a à sua vivência social.

Por ser de origem natural, dificilmente é compreendida em sua essência e no controle que exerce sobre a criatura, tirando dela justo a naturalidade de suas reações frente ao espetáculo de si mesma, impedindo-a de enxergar-se de forma autêntica e levando-a a não proteger-se contra as não afinidades, mas tão somente colocando-a na defensiva sem que haja uma lógica que justifique todos os seus anseios, induzindo a criatura a desenvolver sentimentos absolutamente desnecessários, por serem exacerbados em suas expressabilidades, até mesmo quando os propósitos são para ela aparentemente justificáveis de serem experimentados e, portanto, vivenciados.

Através da emoção do medo, geramos a raiva, substituto do reconhecimento do inadequado frente a uma invasão, ou possível invasão, seja lá do que for.

A sensação de indignação faz a criatura alterar o seu sistema circulatório, da mesma forma que concomitantemente provoca uma tensão repentina no todo muscular, que pressiona contraindo o coração, o estômago e o fígado, provocando de imediato um sabor amargo no paladar, assim como uma taquicardia e uma sensação de buraco no estômago e inúmeras outras sensações danosas, que por sua vez são como descargas elétricas acompanhadas quase sempre de curtos-circuitos ao sistema global da criatura.

No decorrer de apenas um dia sistêmico é possível observar-se as inúmeras alterações que a criatura se permite, levando-a inevitavelmente a desenvolver uma pseuda-imunidade, escudada na desconsideração do fato concreto de que está se destruindo.

É preciso, portanto, que a criatura busque o entendimento de si mesma para, então, buscar qualquer outra proteção quanto as invasões externas, usando como meio eficaz exatamente suas experiências já vivenciadas, fazendo delas exemplos a serem desatados ou acolhidos em seus instantes presentes.

Este entendimento só acontecerá se houver um despertar amoroso em relação a si mesma, acompanhado de uma profunda boa vontade e paciência. E esta postura, que deverá ser constante, só ocorrerá se a criatura buscar reconhecer suas afinidades, descartando qualquer indício de invasão não afim. Basta que ela fique atenta a seus sentidos, não os desconsiderando. Portanto, a lógica consiste em:

“Se não me agradou, não tem porque ser invasivo.”

02/08/2009.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …