domingo, 14 de junho de 2015

O QUE QUER DIZER, MESMO?


Há cada tempo que, diga-se de passagem, tem passado mais rápido, somos invadidos por velhas palavras que retornam, geralmente, em diálogos entre astros de alguma novela, tornando-se imediatamente atuais e sendo incorporadas ao nosso dia a dia tupiniquim sem que, na maioria das vezes, saibamos exatamente o que significam.
O vocábulo da vez, possível de ser ouvido por todo o tempo, nas entrevistas, nas assembleias, nas salas de aula e até mesmo nas irradiações esportivas, é: REVERBERAR, REVERBERANDO, e etc., e tal...
Você já reverberou por estes dias?
Conhece alguém capaz de reverberar suas ações, posturas e intenções?
Tem por hábito refletir e se necessário corrigir suas posturas inadequadas, para que elas não reverberem de forma negativa?
Ao se expressar para outras pessoas, preocupa-se em não reverberar ideias que possam vir prejudicar o sentido de bem comum?
Que tal, neste domingo chuvoso em que, provavelmente, ficaremos quietinhos no aconchego de nossas casas, possamos refletir sobre nós mesmos e o nosso “estar na vida”, principalmente se estamos verdadeiramente nos deixando ser reverberados pelas inutilidades que até podem nos oferecer algum prazer, mas que desaparecem tão rapidamente como os vocábulos modernistas que adentam em nossos cotidianos meteoricamente, e quando se vão, em sua maioria, nos deixam com aquela sensação de vazio, justo pelo não entendimento.
Meu desejo para hoje é que consigamos ser e escolher o melhor para nossas vidas, a fim de que sejamos uma permanente luz de compreensão aos nossos próprios instantes presentes, que, afinal, verdadeiramente é o que importa, estrutura e faz brilhar, reverberando para o tudo do todo no qual estamos inseridos.
Um beijo no coração e bom dia!!!!!




Nenhum comentário:

Postar um comentário