Pular para o conteúdo principal

EU TINHA ORGULHO

 O dia sequer tinha amanhecido e eu já estava a todo vapor pensando no quanto talvez seja saudosista ou, quem sabe, apenas inconformada com o que venho testemunhando ao longo de minha vida em relação ao meu país.
De repente, respiro fundo e lembro dos meus tempos de aluna do ginasial do Colégio Maria Raythe, e do orgulho que tinha em representa-lo no Maracanãzinho, por ocasião dos jogos da primavera ou nos Sete de Setembro no centro do Rio de Janeiro.
Lembro-me com exatidão de detalhes da acirrada disputa há cada ano de quem iria carregar as bandeiras, fosse do colégio, da cidade ou do Brasil.
Lembranças de tempos em que  sentíamos orgulho de nossos colégios, cidades e pátria, respaldados por um sentido irresistível de pertencimento que nos fazia mais respeitosamente agregados a uma juventude que, mesmo presa a certas tradições posturais que, provavelmente, podavam passos mais arrojados, bem característicos dos jovens, certamente também nos estruturava, abrindo um leque de outras tantas posturas que, de um modo geral, preservavam o que de melhor a juventude podia produzir, e esta realidade, se expressa através dos legados que a mesma foi deixando ao longo das décadas, como pérolas que identificam um período de nossa história humana brasileira, onde proliferou o autenticamente belo que as mentes dos jovens dos anos 60 e 70 foram capazes de produzir em todos os aspectos intelectuais e artísticos
Perdemos a ingenuidade do idealismo, perdemos a certeza de nos sentirmos seguros, perdemos os laços que enfeitavam os momentos de romantismo, perdemos a crença em quase tudo.
Saudades de uma juventude que lia Monteiro Lobato, Mário Quintana, Drumonnd, Rilke, Dostoievisk, Neruda e que cantava Tom, Vinicius, Chico,
 que nos faziam sonhar e do cavaleiro Zorro que nos fazia acreditar que havia justiça nesta vida.
Lembranças de uma Ipanema que mais parecia um principado elegante de gente bonita que circulava livremente.
Saudades das matinês nos cines Pax ou Leblom, com mocinhos e mocinhas que estimulavam os sonhos.
Lembranças dos beijos apaixonados, dos amassos suados, do frio na barriga, das expectativas a cada encontro e da liberdade de ir e vir sem qualquer receio da meia luz.
Saudades de um tempo cercado de censuras, armas e repressões, mas que ainda sobrava espaço para se ser jovem e feliz.
 Saudade do meu Brasil que a tecnologia engoliu.

Lembranças do meu Brasil que me fazia sentir orgulho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…