quinta-feira, 16 de abril de 2015

DOCES LEMBRANÇAS


O campo era verde e da espreguiçadeira da varanda, era possível enxergar o pombal, as muitas árvores que escondiam o riacho que eu amava e que acolhia os meus sonhos de garota de 10/ 11 anos que por lá permanecia entre as samambaias gigantes, os respingos gelados da cachoeira e dos seixos rolados através das quais as piabas bailavam, desenhando em minha imaginação, a inquietude de uma naturalista, ainda inconsciente.
Guapi era o meu mundo encantado, meu conto de fadas que eu mesma escrevia entre arbustos, flores e o cheirinho de terra molhada que transformei em perfume.
Em Guapi, tudo era mais bonito, mais rico e mais completo, não havendo qualquer dúvida de que foi o abrigo mais seguro de minha alma infantil.
Quando a chuva caía e isto quase sempre acontecia nos fascinantes verões, os aromas se intensificavam e a dança das goteiras por sobre os Cipós- Imbé, simplesmente me hipnotizavam e então, eu me via fechando vez por hora os meus olhos, tão somente para apenas sentir a minha Guapi querida, todinha dentro de mim.
Optei em transformar as flores em bonecas e meu riacho e meus peixinhos em meus companheiros inseparáveis, levando-os comigo para qualquer lugar, podendo ainda hoje, enquanto escrevo, sentir todo o frescor de minha Guapi, mesmo que ainda que maltratada, irradia os seus encantos.
Guapi dos pássaros cantadores e dos infinitos aromas.
Guapi das águas cristalinas e de um tempo que nunca se foi.
Lembranças inesquecíveis que se fundiram em mim, tornando-me um ser humano mais feliz.
Lembranças de minha Guapi e de minha adorável tia Hilda, ambas esculpidas em forma de vida, que as doces lembranças eternizam.
Guapimirim, meu pedacinho de céu.
Regina Carvalho
Itaparica-Bahia-04/2015
Itaparica-Bahia-04/2015


Nenhum comentário:

Postar um comentário