Pular para o conteúdo principal

ESCOLHAS


Abro os olhos e posso enxergar a estrada que se estende diante de mim, longa, sem curvas e bem delineada e então, busco encontrar algum movimento  junto aos acostamentos ou até mesmo à distancia nas cercanias mas, absolutamente nada encontro, além de uma vegetação de serrado queimada pelo sol, sem viço e sem variantes de qualquer natureza.  Aperto os olhos e torno a abri-los na esperança de  conseguir enxergar um bicho ou algo que seja, mas nada, apenas o silencio de uma espécie de deserto e um marasmo assustador.
Assim eram alguns trechos da estrada Belém Brasília nos anos 70, um verdadeiro horror, mas eu estava lá, repleta de receios, aproveitando a solidão de centenas de quilômetros para ouvir os meus próprios pensamentos, acreditando no afã de meus 24 anos que os perigos e temores que me falaram, comigo não iriam acontecer, na inconsequência repetitiva de todos os jovens que se sentem imunes as desgraças.
O medo existia latente, apertando o estômago, acelerando os batimentos cardíacos a cada raríssimo automóvel em sua maioria caminhões que viam em sentido contrário, afinal, diziam que por lá existiam ladrões como o quê, mas ainda assim segui em frente, driblando os receios, agarrando-me a necessidade de ir mais além, de sair do lugar comum, de conhecer novas paragens, novas culturas, mais eu mesma.
Quando cheguei a “Conceição do Araguaia”, no Pará em plena ditadura militar, depois de cruzar com inúmeros jipes de soldados do exercito sem poder sequer respirar  normalmente, diante do pavor da truculência que eles representavam, senti-me segura e amparada naquela então pequena vila de poucas casas e um único hotel familiar. Que loucura!!!! Que calor, meu Deus!!!!!
Foram 17 dias de aprendizado e de imensas descobertas humanas e gastronômicas, inclusive as belezas das cerâmicas Marajoaras feitas pelos índios locais com os quais pude conhecer o autêntico comportamento civilizado.
E olha que já naquela época, o homem branco com sua civilização bestial, já os estava minando há tempos.
São 15.00 horas desta linda terça-feira e sinceramente, não saberia explicar porque me lembrei desta viajem tão especial, já que estou neste paraíso tropical, mas talvez seja exatamente por não compreender até o momento, o porquê das pessoas prenderem seus pés a  chumbos imaginários que as impedem de percorrer estradas, ora desertas ou não, mas todas com certeza, repletas de vidas pulsantes, escola viva que nos ensina e nos abastece.
E aí, não pensem que eu estava sozinha, pois a meu lado, sentindo os mesmos temores, mas também as mesmas emoções, estava ele, o meu amor, tão louco quanto eu, tão querendo conhecer mais da vida, assim como eu.
Penso então, que tudo valeu a pena e que agora, tudo que vier é só mais e mais lucro, porque, nossa escolha foi capitalizar vida, conhecimentos e amor, o dinheiro, bem... Preferimos deixar a cargo das pessoas sérias, espertas e descoladas.

E lá se vão quarenta anos e nós aqui juntinhos, contando para vocês, esse pedaço de nossa história. Que maravilha!!!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…