Pular para o conteúdo principal

REFLETINDO


Hoje é segunda-feira e estamos em plena quaresma, e creio que até seja natural fazer-se mais reflexões a respeito de nós mesmos em nossas visões de convivência sistêmica que, cá para nós, está a cada dia mais fuleira.
Quanto mais nos aprimoramos, sim porque nunca em tempo algum, o mundo esteve tão habitado por DOUTORES, seja nisto ou naquilo, e,  infelizmente, mais e mais estamos nos distanciando uns dos outros, criando barreiras invisíveis, mas de resistências absurdamente fortes e cruéis.
Inventamos esta tal de internet que nos facilita tanto os nossos afazeres diários, também em todas as áreas possíveis de serem necessitadas e, no entanto, estamos a cada dia mais distantes dos caminhos que estreitam verdadeiramente os laços da afetividade, que são os meios unicamente seguros no fortalecimento da proximidade fraternal, que são justos os nossos sentidos.
Escrevendo neste instante, tento me lembrar dos cheiros de meus amigos, dos contornos de suas faces, do brilho de seus olhos e, principalmente, do calor de seus abraços que fui paulatinamente substituindo pelas letras frias do teclado ou pelas tão somente imagens, induzindo-me a acreditar que se trata de mais recursos para eu me comunicar, quando na realidade, sinto que tem tirado de mim e daqueles que me cercam, o bendito prazer de querer estar mais próximo.
Penso então que lendo estes meus pensamentos, nem todos concordarão, até porque, dirão que é ela, a internet, que os mantém unidos, falando e se vendo por todo o tempo.
E aí, será mesmo?
Não estaremos inconscientemente criando entre nós um espaço que estabelece o excesso de privacidade e eliminando as delícias e as torturas da surpresa do inesperado incômodo que o outro nos trás em determinados momentos em que estamos tão ocupados e que, afinal, nos fazem desenvolver a tolerância, a compreensão e a paciência, forças básicas que nos envolvem numa atmosfera de respeito às diferenças?
Que a internet é fantástica em nossas vidas, não se discute, apenas analiso a parte humana que sinto e observo, terem esfriado em termos afetivos nas últimas décadas, levando-me a crer que não estamos crescendo verdadeiramente com toda esta infindável gama de informações instantâneas e de acessos imediatos, ficando na realidade você lá e eu cá, ambos sozinhos em nossos colóquios afetivos de interatividade emocional.
Você não precisa concordar, apenas pense a respeito, busque nas lembranças o quanto era bom deslocar-se para tão somente jogar um papo fora, bem de pertinho com aquele seu amigo que muitas vezes lhe encheu o saco, chegando às horas mais inoportunas, demorando mais que deveria, mas que lhe fazia também um bem enorme, preenchendo aquele vazio que hoje você sente e não sabe exatamente de onde vem.
Pois é... Os pássaros estão chegando e com eles o nascer desta segunda-feira que, sinceramente, espero que seja ensolarada para aquecer pobres e ricos, todos com ou sem internet, deste mundo de meu Deus.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

AS MULETAS DO SÉCULO

A crueldade sempre esteve presente nos relacionamentos humanos, numa necessidade quase visceral de se estar torturando o outro, mesmo em pequenas escalas não tão explicitamente apresentadas, mas em doses homeopáticas, como é possível de se observar em qualquer instância do relacionamento humano. Precisamos evoluir...
Precisamos urgentemente dar uma parada existencial e refletir sobre tudo que vivemos, pensamos e sentimos e, principalmente, fazer um reflexão em tudo que achamos que deixamos de viver, pensar e sentir, não como um balanço de perdas e ganhos, mas como um gesto de carinho conosco, numa busca amiga de novos recursos que possam aliviar as dores do mundo que arrebanhamos e que nos flagelam, adoecendo e descaracterizando o que de melhor certamente ainda nos resta, que é a nossa genuinidade.
Afirmamos que não há tempo a se perder, e aí, por infinitos caminhos, o acaso de nossa insanidade nos faz parar, geralmente, tarde demais para qualquer retoque que se pensou em dar numa vida …