sábado, 15 de fevereiro de 2014

Primeira Imagem


Não importa em qual das duas janelas eu dirija os meus olhos para fora, lá está ela: esplendorosamente rosa, solitariamente esguia a sustentar suas inúmeras pétalas em um aparente frágil caule, e nem mesmo o balançar constante dos ventos vindos do mar a faz tombar ou é capaz de abalar sua grandeza.
Ela desabrochou agora a pouco ou talvez pela madrugada, não sei bem, pois tudo que sei é que sua majestosa imagem é a primeira que enxergo, neste abrir de janela, no bom dia de meu cotidiano.
Mas se os ventos a balançam, certamente também trazem até onde estou seu perfume que me envolve, fazendo minha mente rodopiar e meus olhos sempre atentos acompanham o bailado que se produz, sendo naturalmente adicionado ao processo, os sons dos pássaros, os cicios das folhas das árvores e mais ao fundo o farfalhar dos coqueiros, sendo interrompidos neste momento, pelos latidos de meus fiéis cães, cansados que estão de esperar pelo abrir da porta, afinal, também eles, querem me saudar.
Que recepção!!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário