domingo, 12 de maio de 2013

Para nunca ser esquecido.


E aí, depois de ler todas as mensagens no face, passar os olhos pelo meu e-mail e preparar um tempero gostoso para o lombo de porco que o forno esperto está cuidando para que possamos ter um almoço saboroso, lembro do passado sem saudosismo, apenas como forma de não deixar que lugares, vidas e histórias sejam esquecidos  como é comum acontecer no nosso dia-a-dia de pessoas atarefadas deste mundo moderno, repleto de ocupações e distrações.

De onde estou, posso ouvir e ver a chuva pesada que não dá trégua e que tinge o céu de cinza escuro, escondendo por horas o solzinho maroto, gostoso e alegre que insistiu  no seu direito de fazer brilhar este domingo de festa.
E por falar em festa, apesar de por aqui em casa não estar acontecendo, pois meus filhos com seus afazeres por aqui ainda não apareceram, busco então consolo nas recordações de dias passados, onde neste horário, lá estava eu na cozinha, preparando um almoço com imenso carinho para a minha sogra, Dona Zizita, mulher forte e resistente que também solitária dos atrasos dos filhos, deleitava-se comigo na aceitação dos meus carinhos que, por  estar carente da presença de minha falecida mãe Dona Hilda, dedicava-me a ela que com amorosa atenção, envolveu toda a minha vida em um cobertor de afetividade.
Se dei a ela presentes? Não lembro sinceramente, mas com certeza lhe dei os beijos mais afetuosos, os abraços mais apertados e minha presença como companhia, nos vinte anos em que vivemos bem juntinhas.
Que na segunda, na terça e por todos os dias de todas as semanas do resto das vidas, o dia das mães seja comemorado com a atenção, o respeito e a dedicação, para que ao ouvir e ver a chuva caindo, vocês possam lembrar que o sol, insistente quis aparecer e vocês conseguiram notar, mesmo que estejam sozinhos, como estou agora.
Que o domingo de cada um, com mãe ou sem mãe, com filhos ou sem eles, seja de paz e harmonia no coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário