Pular para o conteúdo principal

VOTO SOLITÁRIO – POR QUE ?



O caminho racional que leva uma criatura a votar, intencionando o melhor para si, sua cidade e conseqüentemente para o outro que é o seu vizinho ou até mesmo aquele, cujo rosto lhe é desconhecido, é o da conscientização de que não há benefício apenas pessoal que seja eficaz e constante.

Ou seja:

Nesse momento seu voto pode lhe beneficiar momentaneamente ou por quatro anos ou até o final de sua vida se o benefício que o candidato lhe auferir for financeiro, através da garantia de um emprego, mas ainda assim, este benefício não o resguardará dos imprevistos que a vida no seu cotidiano, fatalmente apresenta, levando-o a necessitar em um momento de emergência de um atendimento médico por exemplo, de um sistema de segurança eficaz, de um ir e vir menos penoso e tantos outros aspectos que de repente, percebe-se que sem apoio de uma gestão séria e comprometida com o bem estar constante da população, não será possível viver com dignidade.

É exatamente isso que ocorre em Itaparica e em inúmeros outros locais, onde se formou a mentalidade de que é preciso “se dar bem”, aqui e agora, pois depois, o candidato se eleito nada fará por mim em particular.

Neste instante, a pessoa se coloca na posição de um cego que não mais consegue perceber que ele, com essa atitude, retirou de si, toda e qualquer autonomia de comando sobre sua vida, além de colaborar, tornando-se cúmplice de todos os crimes que aquele candidato se eleito, irá praticar.

Qualifico de crime, pois quem desvia ou ajuda a desviar a merenda escolar, na realidade está praticando múltiplas ações criminosas, pois está roubando de forma continuada a única fonte de alimentação da maioria das crianças que freqüentam as escolas municipais.

O mesmo ocorre em relação à saúde que sistematicamente, tem sido solapada em seus recursos financeiros, cerceando o direito de cada cidadão, quando este, necessita encontrar postos de saúde, devidamente equipados com profissionais competentes e presentes.

O que se vê, são postos às vezes com aparência agradável, mas totalmente destituídos de profissionais que tenham a responsabilidade de exercerem suas funções, seja por incompetência e ou falta de comprometimento, por terem sido colocados lá, tão somente por indicação política ou, seja por total falta de recursos, pois é comum não se encontrar estes locais, sequer uma embalagem de soro ou gases para que se proceda um simples curativo.

E aí, de que vale mesmo o seu emprego, se no seu cotidiano, tudo de básico falta a você e ao seu vizinho?

Se de uma hora para a outra, frente a uma necessidade maior que o seu salário ou seja lá qual benefício você tenha recebido, não puder resolver?

Ruas esburacadas, repletas de lama, cavalos, gado e cachorros soltos pondo em riscos a você ou alguém com quem você convive, lixo e esgoto a céu aberto, matos como abrigos de cobras e todas as espécies de animais nocivos a saúde e o pior, a certeza constante da presença da fome, que você disfarça, induzindo à si mesmo que não vê, mas que na realidade, está bem do seu lado, marginalizando as crianças e adolescentes , levando-as até você ou a um filho, neto ou sobrinho seu, em um dia qualquer, em uma esquina qualquer , até mesmo dentro de sua casa, para roubar e até mesmo matar, tudo quanto, lhe foi impedido de ter que foi tão somente a dignidade de crescer e se desenvolver com dignidade.

A violência se apresenta vestida de inúmeras formas e hoje em dia ela faz sucesso maior, com o nome de craque, individualismo, corrupção, mas que na realidade pode ter o nome que você quiser desde que seja sinônimo de abandono ou indiferença SOCIAL..

Pense nisso, antes de levantar sua bandeira de apoio a este ou aquele candidato.

Procure conhecer sua capacidade produtiva.

Olhe para a vida pessoal e profissional desta pessoa.

Analise a forma com que ele até então se mostrou no convívio com os demais a sua volta.

Preocupe-se com sua atual atividade profissional e se de verdade ele deixaria tudo o mais para se dedicar aos trabalhos do município, ou se apenas ele quer somar mais ganhos à sua vida.

Veja o grau de vaidade que envolve este candidato, assim como a sua relação com a cidade, afinal, ele pode ter chegado apenas por agora e se faz aparecer, sem jamais ter verdadeiramente se alimentado no seio da mãe Itaparica.

Se ele já está no poder seja na Câmara ou na Prefeitura e pretende se reeleger, analise sua atuação até então. Seu grau de comprometimento com a sociedade da qual jurou lutar e defender quando do ato de sua posse.

Observe se ele se calou diante das injustiças que seus pares cometiam contra você e sua cidade, protegendo a si mesmo e os seus interesses unicamente pessoais.



Observe o grupo que o apóia, não esquecendo jamais que serão eles que estarão ao lado dele para governar ou no mínimo como no caso de vereadores, que serão beneficiados por eles, através do sistema de empreguismo inconseqüente.

Reclamar depois, como tem acontecido ao longo da história da cidade, não resolve. O que solucionará ao longo do tempo, daqui para frente, será a capacidade pessoal em votar conscientemente, com a propriedade de quem se respeita e respeita o próximo.

A nossa função seja na rádio Tupinambá, ou seja, através do Jornal Variedades, é a de tão somente levar até cada um de vocês os meios corretos e dignos de conhecimentos para que cada um possa fazer escolhas em qualquer aspecto de suas vidas de forma mais próximas de suas necessidades de criatura humana, que, afinal, merece o melhor.

Não vote solitariamente, vote buscando o bem comum a todos com os quais convive. E descubra através da sua paz interior que, afinal, você foi capaz de ser verdadeiramente um cidadão.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…