Pular para o conteúdo principal

Refletindo...



Nesses tantos anos de escritas, já discorri sobre todas as emoções que fui capaz de detectar primeiro em mim, depois nas outras pessoas, e preciso reconhecer que por mais que eu pesquise, mergulhe em mim  mesma ou me debruce diante das evidências comportamentais que se apresentam  diante das minhas sempre atentas observações, pouco ainda posso dizer que sei deste universo tão diversificado e rico em disfarces e camuflagens que é o ser humano com suas emoções na convivência com o tudo mais que o cerca.

Nós criaturas humanas em relação a nós mesmos somos ainda mais confusos, pois transformamos a relação razão e emoção em uma relação sempre   impiedosa, camuflada  através de posturas auto indutivas e justificáveis quanto à necessidade de sobrevivência, seja emocional ou racional, fechando assim um ciclo de pseudo  proteção, que na realidade somente promove um constante duelo  intimo que ao ultrapassar nossos limites de tolerância, deixamos extrapolar aos demais, na realidade, buscando inconscientemente alívio para o nosso inferno pessoal.

Falando assim, até parece que sou catastrófica em minhas conclusões e desiludida quanto aos entendimentos alcançados neste passo a passo de buscas dos conhecimentos que matreiros se escondem , provocando dúvidas, confusão e até medo nas posturas possíveis de serem reconhecidas no trato diário com os demais e comigo mesma, nesta caminhada de vida.

Nada disso, apenas humildemente reconheço que nada sei, pois a cada instante sou surpreendida com um novo aspecto que se apresenta principalmente em mim e, é claro, naqueles com os quais tenho o privilégio de conviver por um período maior.

Naturalmente a bagagem de subsídios captados e arduamente dissecados é fabulosa e me confere certo entendimento, entretanto, este mesmo manancial é que me faz consciente de meu pífio ainda conhecimento a respeito desta infindável capacidade neurônica e sensitiva.

Esta tarefa, na qual me propus ainda muito jovem, garantiu-me ao longo da vida, buscar e encontrar minhas próprias portas internas e obrigou-me a abri-las uma a uma, rasgando muitas vezes minhas fictícias, mas rígidas, membranas emocionais que endurecidas pela rigidez do medo de se verem expostas, reagiam, causando muita dor, muita ansiedade, imensos momentos de profunda solidão, onde só a minha tenacidade em conhecer um pouco mais de mim, permitia-me tamanha determinação.

Penso, então, que apesar de tantos mergulhos e de tantas imersões, ainda pouco creio saber, restando-me apenas a certeza que tudo quanto pude extirpar até o momento deste conflito do qual eu e você fugimos por todo o tempo com nossas camuflagens constantes, estas ,foram jogadas para fora de meu armário de pessoa humana e que nos espaços, então vagos, houve mais parcimônia na permissão à qualquer outra ocupação.

Fiz e faço desta labuta de todos os momentos, um tirar de pesos desnecessários que, afinal, turvam o brilho de meus instantes de vida.

Neste empenho pessoal, fui aprendendo a me respeitar e, assim, desafogando a minha morada existencial que é tão somente a somatória de um corpo, uma mente e de um todo sensitivo, mas por todo tempo, muito observadora, pois por reconhecer que ainda nada sei, sei que sou capaz de me permitir retroceder, caso não permaneça atenta, pois as armadilhas sempre serão produzidas, por este mesmo potencial que a vida me confere, podendo, certamente, vir a me ferir, confundindo-me, enganando-me e, aí sim, tirando-me o prazer de viver com lucidez a vida com tudo que com ela respira, impedindo-me de senti-la tal como ela é, absolutamente linda.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…