Pular para o conteúdo principal

VIDA....BEM MAIOR






No início deste mês de junho, tivemos uma semana dedicada ao meio ambiente e à sustentabilidade, e pessoalmente fiquei encantada, pois mais uma vez, pude constatar o envolvimento de algumas pessoas que verdadeiramente tem consciência  ambiental, fazendo de suas vidas, o ano inteiro, exemplos da aplicabilidade desta mesma conscientização, a despeito de estarem praticamente sozinhas em inúmeras ocasiões e totalmente esquecidas e tão pouco reconhecidas e apoiadas pelos órgãos públicos, independentemente de onde estejam.

Ainda bem que elas existem e ainda bem que nos fazem lembrar a cada ano de que existe um planeta pedindo socorro, mas penso então, no quanto seria mais vantajoso se esta lembrança nos chegasse a cada instante, através de ações cotidianas se houvesse um pequeno amparo governamental com o apoio maciço da mídia, igual acontece quando do período político ou mesmo quando o assunto é novela, crimes bárbaros, ou corrupção.

Que maravilha seria, não é mesmo?

Imaginem, os jornais de horário nobre das TVs, batendo na mesma tecla, tal qual estão fazendo com as águas sujas do Carlinhos Cachoeira, da viúva assassina do YOKI, ou até mesmo do ainda em pauta, se bem que hoje mais discreto, MENSALÃO.

Por falar no mensalão, me vem na cabeça, imaginar também o quanto seria proveitoso se o nosso ex-presidente Lula apoiasse as campanhas ambientais, tal qual se empenha em defender os ladrões contumazes do erário público e de quebra distribuísse uns cartõezinhos vermelhos de solidariedade aos miseráveis que, aliás, continuam aumentando, apenas com uma pequena diferença que se expressa no plástico bancário de suas esmolas mensais.

Já imagino o sucesso que faria esta ideia de vida decente, sem lixões a céu aberto, sem a vergonha da perpetuação da ignorância existencial a cercá-los, na mente da maioria do povo brasileiro e quiçá mundial, pois afinal, o senhor de todos os poderes é também popular mundo afora.

Quem sabe, assim, a nossa Amazônia ficaria mais preservada dos olheiros de fora, mais cuidada pelos políticos de dentro e mais respeitada por todos nós. Não é mesmo?

Pois é, foi dada a partida para as convenções partidárias, e a nossa atenção estará voltada aos candidatos ao novo pleito em outubro e, certamente, todos sem exceção, como pré-candidatos, apoiaram a semana do meio ambiente, comparecendo aos eventos que se sucederam, mas e daí José?

Cadê o espaço que a nossa “Amada Itaparica” vem necessitando há anos para abrigar cães, gatos, cavalos e gado que a nossa indiferença abandona nas ruas?

Cadê a iniciativa dos prezados vereadores em promover, como já promoveu em outras ocasiões, a doação de um terreno e, com o apoio da prefeitura, disponibilizarem as condições mínimas para se tirar da rua e do abandono seres tão vivos como nós, que costumamos dizer que amamos?

Cadê os poderosos da cidade que se esquecem de priorizar junto aos políticos que bancam ou apoiam, caçambas de lixo para que os mesmos não permaneçam no portal de seus condomínios ditos de luxo?

Cadê os “FORMADORES” de opinião que jamais dão suas caras a tapas para exigir ações mais eficazes e menos vergonhosas de seus governantes?

Cadê os pretensos políticos que só dão as caras para tentar ser eleitos, utilizando-se de falácias populistas?

Finalmente, cadê cada um de nós que vive reclamando, mas que cala para não perder as possíveis ou já conseguidas vantagens em uma demonstração primária de omissão coletiva?



 Afinal, os políticos, se eleitos, imediatamente terão coisas mais importantes para cuidar, até porque todos que os apoiaram estarão apressados buscando os seus quinhões, enquanto os que perderam, estarão colocando suas violas no saco, justo para correr atrás do prejuízo, que cá pra nós, não é pequeno, pois quem banca campanha de político Tupiniquim, não perde jamais e exige tudo de volta com juros e correção monetária.

Esse é um jogo e entra nele quem quer.

Que coisa, heim?

Enquanto isso, os ambientalistas de plantão que não têm qualquer apoio e tão pouco crédito para trabalhar em seus projetos de qualidade de vida para todos, vão tocando suas ações com o apoio de meia dúzia de gatos pingados, aqui e acolá, formando assim poderoso e silencioso exército que mais que defender, estabelece territórios de vida e liberdade, onde eu e você, possamos ainda nos aventurarmos para curtir o prazer mesmo que inconsciente de pertencermos a um universo resistente, poderoso e repleto de saúde, que os incautos ainda não conseguiram destruir.

O Jornal Variedades presta homenagem a estas criaturas que com suas sensíveis e individuais condições de luta, sem discursos ou palanques, defendem a vida em toda e qualquer expressabilidade, pois compreendem que este é o bem maior de todos nós.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…