sábado, 23 de junho de 2012

Ainda o desencanto...




E aí, sentada em minha velha e aconchegante cadeira de balanço na varanda, logo bem cedinho, e olhando a natureza que totalmente despudorada se exibe para mim, deixo-me voar em minhas considerações a respeito da natureza humana e, mais uma vez, constato o quanto ainda nada sei a respeito e no quanto já não me surpreendo, ficando tão somente um pouco triste, pelo natural desencanto que me invade.

Olho então para as copas das mangueiras e dos coqueiros em uma silenciosa busca de amparo, tentando extrair dessas fortalezas, subsídios inspiradores que me façam compreender sem tantas tristezas a pequenez que ainda nos assola, enfraquecendo a vida em seu gigantismo que persistente, resiste em nós.

E aí, penso neste instante no quanto me abasteço, me amparo e me socorro, porque busco com admiração e com certezas, o sempre presente carinho que disponível se encontra em meus momentos de profunda reflexão, fazendo-me, assim, enxergar, sentindo um certo “Deus” em sua mais ingênua e palpável expressabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário