Pular para o conteúdo principal

Gotinhas do Céu


Estou aqui, aparentemente sozinha, ouvindo meus pássaros que se esbaldam no jardim enquanto, seja por hábito, ou por puro prazer, penso à respeito um pouco de tudo que me chamou a atenção nos últimos dias.
Bem... já escrevi sobre a movimentação política e pelo que me consta, hoje é a finalização quanto às opções partidárias, o que não necessariamente, manterá fidelidade em alguns caráteres, digamos, pra lá de duvidosos.

Como só sei, tratando-se de política, pensar e escrever sobre idéias e ideais, reconhecendo que, afinal, estas tendências fazem de mim uma “tremenda panaca” aos olhos e intenções dos, digamos, bam-bam-bans do assunto. E olha que são muitos os entendidos e suficientemente realistas, que geralmente desconsideram esta senhorinha simplória que, clama por uma educação mais decente, uma saúde mais humana e um social mais digno.

Qual verdadeiro político, se preocupa com isto, não é mesmo?

Afinal, o povo é que se exploda, claro, depois de votar.

Nós, o povo, somos uma cambada de chatos, tão insuportáveis que nem o Lula conseguiu permanecer como “fiel companheiro”, pois, rapidinho se bandeou para a ala dos “bem sucedidos”.

E ele está errado? Deixemos de hipocrisia... se der ao povo dinheiro e poder, logo fica igualzinho o vizinho das “elites”, Quem não gosta do luxo?

Olhem ao redor e digam se estou delirando.

Se deixar, fico até amanhã escrevendo sobre o que chamam de política, se bem que a meu ver, não passa de uma formação de quadrilha, sem no entanto, ser tão organizada, quanto o crime organizado. Ou será que eu é que estou por fora?

É, acho que estou mesmo por fora, afinal, tudo dá certo, tudo se cruza, todas as instituições estão ligadas sem que haja qualquer fio aparente.

O tal “bem político”, caiu em desuso, fala-se tão somente em articulações, os territórios, se invadidos pelos adversários, detonam disputas acirradas, faltando atualmente, apenas as metralhadoras, usadas no passado. 

Quem já não ouviu falar sobre a década de 30 e nos mafiosos como Al Capone, Luck Luciano, Tom 

Mazino e tantos outros que antecederam aos políticos atuais. Refinou-se as negociações e retaliações, mas as intenções, acreditem, são as mesmas.

Que coisa hein!?
Em tempos passados, pensei ingenuamente que, quando os coronéis morressem, seus filhos e netos optariam por condutas mais ortodoxas. Qual nada! A meninada ao contrário foi ficando mais refinada e, portanto, camuflada, o que a priori, induz aos enganos.

Pois bem... concordo que eu já não tenho ilusões, mas ainda resisto resguardando gotinhas de esperanças e é por isto que eu e tantos mais permanecemos com as bacias nas mãos, voltada pro céu. De repente, de lá caia chuviscos de vergonha, honradez e responsabilidade pública para que eu e os tantos mais, “babacas” contumazes, possamos ver aplicado na prática, e não apenas nos nossos sonhos cotidianos, transformando-os em milagres localizados, matando a fome da miséria, oferecendo uma chama de luz à ignorância, assim como um elixir que revigore à saúde. Coisas da

Dona Regina!!! Vai que um dia acontece?!?!?
--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2018

Estive, como sempre, presente na Câmara Municipal de Itaparica por ocasião da prestação de contas que, diga-se de imediato, foi didaticamente explicada ao público presente, que se resumia em sua maioria a funcionários da própria prefeitura e assessores diretos da gestão. No entanto, todo o evento foi transmitido ao vivo pela sua Rádio Tupinambá FM. Acompanhei os itens apresentados com a mente aberta ao entendimento, mas reconhecendo as minhas limitações contábeis, deixando-me ao direito de apenas buscar dados que explicassem os gastos em relação à arrecadação que, na avaliação de pessoa comum do povo, pareceram-me elevados ao pensar na precariedade em que a cidade vem vivenciando o seu cotidiano. Em vista desta premissa, fui registrando algumas perguntas que as explicações da especialista em finanças, assim como a Controladora do município, não foram capazes de esclarecer, até porque, não cabia a nenhuma delas tecer considerações sobre as decisões da gestora em relação ao destino das ve…

REALIDADE- A minha e a sua.

Precisamos dos símbolos para que nossas mentes possam processar imagens e através delas, somos, então, capazes de formar conceitos próprios ou, simplesmente, aderir aos conceitos já estabelecidos.

Penso na realidade de cada coisa e, em como ela é variante, já que cada um de nós é capaz de enxergá-la de forma exclusiva, se bem que de um modo geral, haja um consenso perceptivo e universal.
E aí, o que é real?
A realidade é a que eu conceituo em minha mente ou a que se apresenta na formatação de um senso comum?
Ao buscar na coisa a realidade, já levo na busca a contaminação dos conceitos comuns, desta forma descaracterizando-a de uma realidade pura e simples?
Será que somos absolutamente capazes de, em algum momento, verdadeiramente enxergar, sentir ou ouvir algo de uma coisa ou de alguém sem que haja a adição comprometedora deste senso universal no qual fomos inseridos na gestação embrionária de nossas vidas, através das emoções, alimentação e da genética?
Penso nisso em todas as ocasiões em …