Pular para o conteúdo principal

RECORDANDO


 Vinte de janeiro de 2003, logo pela manhã, passeando pela Ilha, descobrimos Itaparica, pois estávamos morando em Vera Cruz há algum tempo e, por incrível que possa parecer, não nos informaram deste tesouro, descobrimos por acaso, e assim também por acaso, encontramos um casal que varria o passeio de sua residência, (Reina e Américo).Nascia ali, uma sólida irmandade que se integrou ao encantamento por Ponta de Areia, que de imediato nos envolveu e nos fez sentir vontade de ficar, e ficamos literalmente até neste instante, em que emocionada, recordo-me das circunstâncias que influenciaram os acasos que trouxeram a mim e a minha família à este pedacinho de céu.
A partir daí, tudo foi dando certo, ficando o mês de janeiro como um marco de grandes realizações, afinal, foi em 10 de janeiro de 2005 que obtive a escritura definitiva da casa que compramos e foi em 07 de janeiro de 2014 que recebi a honraria de me tornar uma cidadã itaparicana, oferecida pela Câmara de vereadores.
Entre os “entretantos”, com muitos “finalmentes” felizes, fomos nos despindo do ranço do estresse adquirido das grandes cidades, da pressa para lugar algum, para, finalmente, podermos relaxar e curtir as delícias de nos sentirmos abraçados e acolhidos em cada esquina, quarteirão ou qualquer lugar, onde pudéssemos adentrar.
O sentido de pertencimento é uma sensação grandiosa que poucos verdadeiramente são capazes de conseguir alcançar, pois exige mais de quem chega do que, verdadeiramente, daqueles que já estão, pois a generosidade do acolhimento geralmente existe, assim como a boa vontade e o espírito solidário, mas é preciso que saibamos receber e acima de tudo valorizar, identificando cada ato de doação e, concomitantemente, precisamos ser gratos a cada instante, buscando corresponder para continuar merecendo.
Parece simples, mas é uma árdua tarefa se não existir nas almas recebedoras a dose necessária de humildade, pois só ela é capaz de mensurar o tamanho e a valia de cada oferta.
Então penso nas caminhadas de todos nós, e das portas que vamos abrindo e fechando ao longo do trajeto e no quanto é importante o cuidado, principalmente ao fechá-las, afinal, a necessidade de ter que abri-las novamente em dado momento é muito grande.
Hoje, o meu agradecimento vai para a amiga Bárbara Amorim, por cada bom dia, boa tarde e boa noite que vem me estreitando neste momento difícil de minha vida, quando então, fragilizada, mais e mais preciso de abraços acolhedores.
Vai também para meu amigo irmão, Cláudio da Silva Neves, pela certeza absoluta de que sempre poderei contar com ele.
E finalmente, vai para cada pessoa que interage comigo no decorrer de cada instante de meus dias nesta cidade abençoada que me escolheu, me guiou até ela e, ainda incansável, faz com que eu me sinta a criatura mais abençoada desta vida.
Obrigado


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…