Pular para o conteúdo principal

Mas afinal, e nós?

           
Nos últimos tempos o que mais tenho ouvido é sobre a Constituição brasileira, o que ela permite ou não, o que a fere e o que ela não admite em sua genuína legalidade.
Tenho visto e ouvido através dos noticiários e de programas de entrevistadores famosos como Miriam Leitão, Alexandre Garcia e outros, alguns políticos, juristas, ministros, enfim, autoridades de renome nacional, discutindo ou simplesmente explicando as nulidades dos pedidos de impeachment da presidente Dilma Houssef, mostrando didaticamente os artigos e incisos da Carta Magna que jogam por terra os argumentos fornecidos pelo TCU em seu relatório não aprovando as contas da gestão.
Penso então, que toda esta traficância de argumentações possui sua validade, pois pelo menos, estamos tendo a oportunidade de conhecer detalhes até o momento desconhecidos por grande parte da população que passou a entender o porquê deles (tribunais) reprovarem e as câmaras aprovarem, deixando um ponto de interrogação na leiguice de todos nós e ao mesmo tempo, suscitar uma nova e óbvia pergunta:
- Se as análises técnicas realizadas pelos “Tribunais de Contas” podem ser desconsideradas por vereadores, deputados estaduais e  federais  e pelo Senado Federal, pois são órgãos apenas auxiliares e sem qualquer poder de punição, apesar de serem designados como tribunais, por que existem?
Se fazem o trabalho minucioso de análise e estão competentes à um veredicto, por que os políticos se sobrepõem as suas constatações qualificadas?
No mínimo esquisito ao entendimento de nós, povinho sem grandes conhecimentos constitucionais, mas cuja sensibilidade e raciocínio, aguçam ao despertamento de querer entender, sem vergonha da possível ignorância.
E aí, lembro do Maluf que há mais de 20 anos nega crimes internacionais e se reelege, dando um curso intensivo aos políticos brasileiros da pouca vergonha institucionalizada, pois nada freou sua cara de pau e abusos ao erário público.
Como cidadã brasileira, estou começando a ter medo da constituição de meu país, que fornece tantos artifícios de garantias às gestões, assim como com os nossos códigos da Justiça que amparam seguidas pedaladas políticas, manobras constitucionais que garantem ao esperto e ao malfeitor das causas públicas, recursos e mais recursos em detrimento do povo, do bendito povo que a tudo paga de uma forma ou de outra e na maioria das vezes de ambas.
Como entender que um Presidente da Câmara Federal, tenha tanto poder e ainda permaneça em seu posto, frente a tantos escândalos envolvendo seu nome e o de sua família? E ainda tem poder de “negociar” acordos sujos com a Presidente?
Que Constituição é esta que permite que um ex-presidente da república, adentre e use os gabinetes do Planalto e da Alvorada, como se chefe de estado ainda fosse?
Que Judiciário é este que desconsidera, aos olhos do povão, todas as indicações de envolvimento deste senhor no maior escândalo que este país já vivenciou?
Estão esperando o quê?
Provavelmente um recibo de propina assinado e com firma reconhecida, além de devidamente registrado em Cartório! ...
Na leiguice de meus parcos conhecimentos jurídicos, já ouvi falar em provas circunstanciais e até mesmo em testemunhas oculares.
Pensando nos ex- presidentes do meu Brasil Varonil, jamais tomei conhecimento que um presidente da República ganhasse tanto para possuir tantos bens.
E olha que a maioria, dispunha de carreira profissional ou bens de família ao tomarem posse constitucional de um cargo que deveria ser no mínimo conduzido com transparência.
Rapaz... Isto é que sorte acompanhada de competência meteórica de causar inveja aos demais nordestinos descamisados que migraram para SUM PAULO, para fazer sua américa pessoal.
Ou sou uma idiota completa, analfabeta total ou o que estamos vivendo é um surrealismo tupiniquim, jamais tão escrachado que, até faz doer.
Enquanto isto....
Tudo vai ficando pior que dantes, no quartel de Abrantes.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…