domingo, 22 de dezembro de 2013

CHOVE LÁ FORA...


Chove lá fora e os cheiros de terra molhada, de grama lavada, de frutas frescas, chegam até a mim de forma majestosa como se a natureza quisesse me informar que, afinal, o verão está chegando, lindo, ensolarado, às vezes chuvoso, mas absolutamente encantador com seus aromas e cores, tudo sob a tutela de noites estreladas e dias ensolarados.
            Os pássaros destemidos escondem-se entre as folhas por sobre os galhos embalando a natureza, com seus cantos e leveza.
            Ouço-os neste instante, assim como ouço a chuva esparramando-se sobre tudo, formando sons diferenciados que vou acolhendo em mim, fazendo deles inspiração para soltar também as minhas asas imaginativas e voar horizonte à fora com a certeza absoluta do retorno garantido.
            E nesses bateres de asas, vario de rumos, permitindo-me, inclusive, sentir-me eterna entre os pássaros que seguem orientando, tal quais as margens de meu eterno riacho com o qual convivi em minha infância.
            Bendito verão que se aproxima, benditas lembranças que me aquecem, bendita vida que me pertence, bendito amor que me abraça.
            E aí, um trovão soa à distância.
            Soa à distância um raro trovão.
            Coisa de quase nada que a natureza produz,
            Talvez para nos lembrar
            Que ter cuidado, também é preciso.
            O Natal está chegando e com ele o verão que, certamente, aquecerá os seus corações, permitindo-lhes o encontro com o “Arco Iris” da vida plena, que existe dentro de vocês.

Um beijo no coração de cada um de vocês, amigos do face e o meu desejo sincero de um final de ano, repleto de paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário