Pular para o conteúdo principal

FORASTEIRA, SIM SENHOR...


Ainda me lembro, parece-me que foi ontem e lá se vão quase 12 anos em que entusiasmada com a beleza da cor do mar, associada à translucidez do sol, adentrei nesta cidade, para não mais dela conseguir me distanciar.
E ir embora, por quê?
Afinal, tenho tudo que sempre procurei em todas as paragens que visitei, em todos os redutos em que me aninhei.
Ir embora pra que?
Se o tudo de bom, foi por aqui que encontrei e o que eu trouxe comigo por aqui se estabeleceu.
Abracei os aromas, os sabores, as energias, abracei o mar, o sol e as pessoas e em momento algum tentei modificá-las, com a arrogância natural dos que chegam de fora.
 Como a maioria, cheguei esbaforida, trazendo na bagagem mil ideias, mil vivências, esbarrei no atavismo, no desconhecido, no diferente, tropecei na desconfiança, no medo dos que por aqui sempre estiveram.
Mas como também cheguei fraca, doída e machucada, deixei-me conduzir e ser tratada descansando a mente, equilibrando o coração, deixando entrar a paz do bendito diferente.
E hoje, recordando um pouco de tudo, sou obrigada a reconhecer que o diferente era eu, que, sem pedir licença, fui me chegando, ocupando espaço, sem sequer perguntar  se havia lugar na seara alheia, e como intrusa absolutamente encantada, sequer pensei o que poderiam os donos da casa, estarem aborrecidos com esta minha chegada, assim tão repentina, tão sem cerimônia.
Que coisa absurda, hein?!
Imaginem vocês, se mais incoerente e insensível fosse minha forma de ser, se ainda por cima eu quisesse na rotina deles, inserir os conceitos e hábitos dos quais, eu mesma, estava tentando fugir, mesmo que inconscientemente.
Pensando bem, cá entre os meus botões, que diabo é essa necessidade cruel que nos induz em quase todos os nossos instantes à tentar modificar o que nos cerca, acreditando ferrenhamente, que somos os  sabedores do ideal alheio.
E aí, nos ofendemos quando alguém, mais ousado, nos lembra  sem piedade que somos de fora, ilustres forasteiros, e aí, bem, ofendemo-nos, irritamo-nos,  magoamo-nos, no entanto, somos obrigados a admitir, nem que seja tão somente à nós mesmos, que fomos invasivos, arrogantes e presunçosos em  crer, mesmo que por um único instante, que sabemos mais o que lhes convém.
O melhor que fazemos é aceitar o que nos encantou, abraçando o tudo de bom, partilhando das delícias, sempre prontos a oferecer o nosso melhor, sempre na medida  em que nos pedirem, na proporção que nos cabe, não esquecendo jamais que foi exatamente este diferente que nos atraiu.
Sou de fora, sim senhor, mas vivo bem juntinho com os de dentro, chegando às vezes até mesmo a me esquecer de que não sou daqui, que sou de lá, de um lugar que já não me servia mais e que encontrei pelas bandas de cá, o não encontrado nas bandas de lá, que foi justo, meu pedaço de chão, meu sentido maior de pertencimento.  
Mudar as coisas e as pessoas, então, pra quê, se exatamente o que me encantou, foi este tudo aparentemente errado, que encontrei.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…