sexta-feira, 4 de outubro de 2013

ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA


Estou aqui ouvindo o Quarteto em Si, cantando La Barca, bem baixinho, justo para não suplantar os sons magníficos de meu pássaros e, inevitavelmente, sou levada a ponderar na complexidade, não da mente humana em sua potencialidade  criativa e construtiva, mas  na absorção e processamento dos dados na sua ação cognitiva e no até onde poder-se-á avaliar esta capacidade sem que o sistema como um todo esteja na influência maciça direta, através dos agentes  genéticos e  emocionais.
Como separar e classificar a força motora destas influências e acima de tudo como determinar o peso individual das ações na formação do perfil de personalidade de cada criatura, levando-se em consideração o mesmo núcleo formador, seja na tradicional formação familiar ou substituto oficial.
Como então determinar o que mais influenciou e o porquê especificamente em uma criatura, quando no contexto receptivo outros receberam as mesmas informações?
Se você que está lendo este meu texto, souber outros caminhos possíveis para que cheguemos a argumentos lógicos ou talvez tenha apenas benditas sugestões, participe destes meus questionamentos, pois fazem parte de meus estudos cotidianos de busca de entendimentos em relação as posturas humanas e com certeza me serão de extrema valia, como o tudo mais que conclui em pesquisas e interatividades ao longo de minha vida dedicada ao conhecimento das emoções que geram e administram sentimentos e estes determinam comportamentos.
O questionamento pode até parecer óbvio se ponderarmos em relação a tudo quanto já foi pensado e registrado, mas não foi ainda o bastante, pois caso contrário não estaríamos tão carentes de soluções e tão abastecidos de paliativos que, definitivamente, não contribuem para um real entendimento que no mínimo leve o ser humano há um estágio evolutivo  emocional que proporcione palpáveis alterações comportamentais.
 A captação sensitiva de qualquer coisa torna-se diferenciada no processamento do córtex cerebral de cada indivíduo através da essência e das inerências existenciais, mas seria possível que através de uma condução existencial modelada em determinado aspecto, representar uma influência determinante?
Bom dia, Regina!!!!!! Hoje é sexta-feira, são apenas seis horas da manhã.
Dá um tempo!!!!!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário