Pular para o conteúdo principal

Remake da peça “política”...


Pensar a respeito dos malefícios que a ditadura militar trouxe aos direitos de todos nós, cujas metástases nos acompanham até os dias atuais, é justo o que me faz compreender esta paixão tolerante que imprimimos ao mau-caratismo que explicitamente vai se desenvolvendo no decorrer das pré-candidaturas.

Chegam às raias do engraçado os pseudos segredos, que todos, pelas ruas e esquinas, ficam sabendo. O falso segredo das negociações, os critérios hipócritas que são utilizados na tentativa de se camuflar a ânsia pelo poder, os disfarces sorrateiros, os encontros em surdina, os pactos semelhantes aos feitos com o diabo, onde tudo é permitido, onde a censura é abafada.



Pensando bem, o melhor de cada eleição são os meandros engendrados, as intrigas, os cochichos, as dúvidas, as traições, os golpes, as artimanhas, os casos e os acasos, as perdas e os ganhos de cada etapa que, se bem observados, são como gozos orgásticos quando bem apreciados, porque afinal, nesta época que antecede a estreia da temporada do grande circo político, os envolvidos se sentem livres e tudo acaba podendo ser feito ou pensado, porque enfim é época da “política”, onde verdadeiramente ninguém respeita ninguém e nesta arena de lobos e coiotes o mais esperto, criativo e ardiloso desponta algumas vezes da obscuridade, se revelando nos palanques a olhos nus.

Aparentemente, da noite para o dia, todos os envolvidos se tornam estranhos e desconfiados, apagando-se, como na mágica, jornadas passadas de outros companheirismos.

Mudam-se projetos e afinidades, mudam-se caráteres com facilidade.

Ah! É muito bom, viver a democracia, mesmo quando capenga, pobre e arredia.

É viciante absorver o ópio político que antecede cada eleição, levando os dependentes, como eu, ao frenesi das conjecturas e deduções das armações que, Deus!, são ilimitadas nas mentes, interesses e emoções dos candidatos.


Inimigos se tornam amigos, desafetos se reconciliam, amantes apaixonados se separam, amores profundos se traem.

Esta delícia de orgasmo continuado vai se processando lento, progressivo e silenciosamente dentro do emocional de todos nós, sem que possamos verdadeiramente controlar os impulsos que nos direcionam, ora a participar, ora a, simplesmente, apreciar este bailado de atos e emoções.

Comparo as pré e as candidaturas ao frenesi que nos domina frente a uma nova conquista, seja ela qual for, mas em se tratando de conquista amorosa, somos todos arteiramente camuflados, tal qual o mais primário ou sábio político, revestindo-nos de pseudos atributos, disfarces e matreirices que deixamos às vezes cair por terra, mais rápido do que o devido, tão logo fisguemos o objetivo.

O bom e, repito, o orgástico, é o antes que se reveste de expectativas e que se consolida nos palanques, onde as máscaras são ostentadas sem pudores e vergonhas, onde vence o que melhor convence.

Nesta etapa do processo eleitoral, tornamo-nos fãs, como na tv, teatro ou cinema, batemos palmas, cantamos e, cá pra nós, até nos emocionamos, esquecendo por momentos que aquilo lá é um palco, eles, os atores, e nós, o necessário público.

A diferença entre o prático e o ilusório é justamente a hora do intervalo, que na política se estende por longos e dolorosos quatro anos, onde nos obrigamos a conter as dores da decepção que fatalmente somos acometidos, frente à realidade que se descortina e que empana, sufoca e decepciona, deixando um certo vazio, mesmo quando, como velhos expectadores decoramos as falas, pois já assistimos inúmeras vezes a peça e, portanto, prevemos o final.

E aí penso que o pior das ditaduras é justo tirar de nós, todo este espetáculo, todo este suspense, esse farfalhar de emoções que reabastece sonhos, amplia horizontes e que de uma forma ou de outra, ilumina os salões do cotidiano, nos fazendo crer que entre o Deus e o Diabo das negociações políticas, há sempre um povo carente, mas esperançoso, aplaudindo ou vaiando, mas, acima de tudo, sentindo tudo e muito mais, até mesmo tolerando os tolos, os abusados e os mentirosos.

Viva então a democracia, mesmo que fajuta, mesmo quando capenga, pobre e arredia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…